Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Ecce Homo

.Capela do Amparo

.Capela de Santiago

.Igreja de Santa Marinha

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. CONCERTO DO ORFEÃO ARCIPR...

. ERGUER DA BANDEIRA NAS AN...

. LIMITES DA FREGUESIA DE P...

. BOTIRÃO DE DEITAR NO RIO ...

. FALECEU O SR. DOMINGOS BA...

. FALECEU O ABÍLIO PEREIRA

. FALECEU A NARCISA DA LAPA

. 60 ANOS DA PRIMEIRA EDIÇÃ...

. 60 ANOS DA PRIMEIRA EDIÇÃ...

. ACORDES DE PRIMAVERA 2017

.Arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Estou no Blog.com.pt
Domingo, 20 de Novembro de 2005

Costumes de Tempos Idos - A Matança do Porco: Memória Social

porco.gif 

 

 

 

 

 

 

    A matança era uma das mais significativas festas de família, o que se compreende na medida em que a carne de porco e a batata eram a base essencial da alimentação e a auto-suficiência permitia viver sem excessivo recurso ao exterior.

 

    Matava-se tantos mais porcos quanto o estatuto social e a condição financeira o permitiam: a riqueza avaliava-se pelo número de porcos que se matava.

 

    A carne era racionada de modo a durar todo o ano, até á próxima matança, os untos e pingos, constituem uma preciosa reserva que substituiu o azeite.

 

    Os porcos eram criados e alimentados com refeições à base de batata, milho, legumes e o farelo, e viviam nas cortes, os baixios da casa de moradia da família.

 

    A matança tinha lugar no Inverno, altura em que as actividades agrícolas estão reduzidas ao mínimo e a temperatura fria permitia a sua conservação. O dia da matança, para além dum específico cerimonial, era um autêntico dia de festa, para alguns mais um pretexto de comezaina, num ambiente de folia e de aproximação ritual da família e da comunidade.

 

    A matança resulta, assim, da conjugação de muitos e distintos factores, e desempenha uma função social relevante nas comunidades rurais, fortemente estruturada e rica de tradições.

 

    Estão presentes para além do agregado familiar e da equipa de trabalho, os convidados da esfera aldeã, amigos, parentes, residentes noutras localidades, formando grupos elevados, que determinam o número de comensais. As facas, alguidares, a meda de palha, o banco são preparativos essenciais para a operação, para além das pessoas.

 

    Tudo começa com o ritual de «matar o bicho» com aguardente, boroa, figos, chouriço e vinho tinto. Na cozinha afadigam-se com os potes ao lume, com o descascar das batatas.

 

    O matador, um perito de reconhecida fama, conduz o bicho para cima dum banco, e com um golpe profundo por baixo do pescoço consuma a morte e o sangramento, que é amparado nos alguidares. De seguida é chamuscado, segue-se a lavagem para o que se usa instrumentos de raspagem, água e por vezes sabão.

 

    Concluída esta, começa a abertura, sendo pendurado com a cabeça para baixo, para se tirar o couracho, o subventre, o unto, o fígado, os rins, o coração, a buchada, as tripas.

 

    A tradição impunha uma refeição de trabalho festiva no dia da matança de proporções mais amplas e intenso significado, constituída pelos produtos perecíveis, como o sangue, fígado, pulmões, e carne salgada de porco velho.

 

    As relações sociais quotidianas impunham a redistribuição pelas casas dos amigos e vizinhos que não foram convidados ou mais carenciados, ou a casas que anteriormente tiveram a mesma amabilidade, onde se dá bocados crus de carne, pedaços de fígado, o chamado presente, uma prática de levar um prato de carne de porco nova, sempre recoberto de um pano, tarefas de que eram encarregues os mais novos.

 

    No dia seguinte tem lugar a desmancha da carcaça, quase sempre 24 horas depois do porco morto, as carnes repartidas e salgadas, e depois postas ao fumo. Fazem-se os chouriços e demais fumeiros, aproveitando as tripas previamente bem lavadas e cortadas segundos tamanhos convencionais.

 

    As chouriças são postas por cima da lareira em paus delgados, e são curados durante 3 ou 4 semanas, com uma cura condigna com a qualidade desejada.

 

    Nos dias seguintes pela aldeia, outras matanças se fazem, e como os convites são retribuídos, ninguém falta, a festa ritualizada e simbólica contínua.

 

    Hoje menos, é verdade, fruto das contingências da vida moderna, imposições e regras vindas da Europa, tendem a submergir e a desagregar a acção identitária comunitária. Ainda resistimos, sabe-se lá por quanto tempo. E a matança do porco como espaço social faz parte da nossa riqueza patrimonial.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 22:17
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 11 de Novembro de 2005

Moinho de Porto de Várzea

passarinho.gif Padornelo, moinho de Porto de Várzea
Padornelo, antigo moinho de Porto de Várzea. [Gentileza de Fernando Abílio Silva].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:03
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 1 de Novembro de 2005

Padornelo e o Terremoto de 1 de Novembro de 1755

    O padre dr. José Bernardino Soares de Castro e Moscoso era abade de Padornelo, quando a 25 de Abril de 1758 teve que responder ao famoso Inquérito Paroquial, o qual ficou conhecido como "Memórias Paroquiais de 1758".

 

    Na parte acerca do terramoto o pároco da igreja matriz de Santa Marinha de Padornelo deu a seguinte informação, que se pode consultar no Arquivo Nacional da Torre do Tombo na seguinte cota: ANTT, Dicionário Geográfico de Portugal, volume XXVII, fl. 87, microfilme 454, e que aqui transcrevo mantendo a grafia do século XVIII:

 

«O terremoto de 1755 tambem aqui se experimentou e causou bastante pavor ao povo, contudo por mercê do Altissimo não se experimentou nesta freguesia ruína alguma».

 

    Por sua vez uma fonte anónima descreve assim o sismo (ANTT, ms. 1229):

 

«Em o 1.º de novembro ás 9 horas e 40 minutos da manhã succedeu o lastimoso Terramoto. Tremeu a terra com três impulços o 1.º ainda que precedido de hum ruido medonho foy tão pequeno que a poucas pessoas atemorizou mas continuando o abalo foy tão violento que as casas principiarão a aruinar-se; Durou hum minuto e meyo em que houve o intervalo de hum minuto; o 2.º cahindo casas com hum ruido espantoso durou dous minutos e meyo havendo o intervalo de outro minuto; o 3.º durou tres minutos e ficou no fim serenado durando tudo isto 9 minutos.»

  

  Lisboa, terremoto de 1755.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:33
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|