Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Ecce Homo

.Capela do Amparo

.Capela de Santiago

.Igreja de Santa Marinha

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.Artigos Recentes

. FESTA DE SÃO JOÃO 2017

. FESTA DAS ANGÚSTIAS 2017

. FALECEU A SENHORA ANA ROD...

. FALECEU A SENHORA ERMEZIN...

. LIMITES DA FREGUESIA DE P...

. CONCERTO DO ORFEÃO ARCIPR...

. ERGUER DA BANDEIRA NAS AN...

. LIMITES DA FREGUESIA DE P...

. BOTIRÃO DE DEITAR NO RIO ...

. FALECEU O SR. DOMINGOS BA...

.Arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Estou no Blog.com.pt
Quinta-feira, 30 de Março de 2006

RIFONEIRO DE COURA: a Sabedoria Popular

olho 1.gifpaginas.gifchuva.gif 

    Os ditos e os provérbios fazem parte integrante da cultura popular e duma velhíssima tradição oral de transmissão de conhecimentos, duma riqueza etnográfica.

 

    De qualquer maneira, os ditos populares, são, essencialmente uma ponte com o nosso passado, agora que o presente e a modernidade estão voltados para outros domínios.

 

    Muitos desses ditos e provérbios têm um carácter simbólico, embora a maioria carregue em si, a substância dum simbolismo que não se perdeu no seu todo.

 

    Nos tempos idos em que não havia luz, nem televisão, escola ou cultura erudita acessível para todos, o povo, na sua sapiência milenar, tinha um ditado para tudo, ou a propósito de qualquer coisa, na medida em tal processo fazia parte da sua alma, que traduziam vivências e conhecimentos, atitudes sociais que eram transmitidos de geração em geração.

 

E essa tradição era tanto ou mais enraizada, que ainda hoje, milhares de provérbios sobreviveram, alguns já falhos de conteúdo, mas mesmo assim repetidos com frequência inaudita.

 

    Esses adágios abarcam todas áreas do conhecimento e da existência humana, e por isso, vão ser apresentados divididos por temas, e como estamos em Março, obviamente, a primeira série dirá respeito aos ditos acerca deste mês.

 

MARÇO

 

A geada de Março tira o pão do baraço e a de Abril nem ao baraço o deixa ir.

 

 Aí vem meu irmão Março, que fará o que eu não faço.

 

 Bodas em Março é ser madraço.

 

 Cavas em Março e arrenda pelo S. João, todos o sabem e poucos o dão.

 

Em Março, as noites com os dias e os centeios com os matos.

 

Em Março chove cada dia um pedaço.

 

Em Março deita-te um pedaço.

 

Em Março espetam-se as rocas e sacham-se as hortas.

 

Em Março merenda o pedaço; em Abril merenda o merendil.

 

Em Março merendica e folgaço.

 

Em Março o pão com o mato, a noite com o dia e o Pedro com a Maria.

 

Em Março onde quer eu passo.

 

Em Março queima a velha com o maço.

 

Em Março tanto durmo como faço.

 

Em tardes de Março recolhe o teu gado.

 

Em vinte cinco de Março, se o cuco não se ouvir, ou é morto ou não quer vir.

 

Entre Março e Abril o cuco há-de ouvir.

 

Entre Março e Abril se o cuco não vier, está o fim do mundo para vir.

 

Enxame de Março apanha-o no regaço, o de Abril não o deixes ir, o de Maio deixai-o.

 

Inverno de Março e seca de Abril deixam o lavrador a pedir.

 

Março, aguaço.

 

Março amoroso, Abril ventoso, Maio remeloso, fazem o ano formoso.

 

Março, baço a noite com o dia, o pão com o sargaço.

 

Março, chove cada dia seu pedaço.

 

Março, chuvoso, S. João farinhoso.

 

Março de ano bissexto, muita fome e muito mortaço.

 

Março liga a noite com o dia, o Manel com a Maria, o pão com o pato e a erva com sargaço.

 

Março marçagão cura meadas, esteiras não.

 

Março marçagão, de manhã cara de anjo, à noite cara de ladrão.

 

Março marçagão, de manhã cara de rainha, de tarde corta com a fou­cinha.

 

Março marçagão, manhãs de Inverno, tardes de Verão.

 

Março marçagão, de manhã focinho de cão, ao meio-dia de rainha e à noite de fuinha.

 

Março marceja, pela manhã chove e à tarde colmeja.

 

Março molha o rabo ao gato, se Fevereiro ficar farto.

 

Março molinhoso, S. João farinhoso.

 

Março o cria, Março o fia.

 

Março pardo, antes enxuto que molhado.

 

Março queima a dama no paço.

 

Março ventoso, Abril chuvoso.

 

Março virado de rabo é pior que o Diabo.

 

Nasce a erva em Março, ainda que lhe dêem com um maço.

 

O grão em Março, nem na terra nem no saco.

 

Páscoa em Março, ou fome ou mortaço.

 

Poda em Março, vindima no regaço.

 

Quando em Março arrulha a perdiz, ano feliz.

 

Quando vem Março ventoso, Abril sai chuvoso.

 

Quem em Março açoreou, tarde acordou, mas quem a sua maçaroca fiou, com ela se achou.

 

Quem em Março não merenda, aos mortos se encomenda.

 

Quem não poda até Março, vindima no regaço.

 

Se queres bom cabaço, semeia em Março.

 

Se trovejar em Março semeia altos e baixos.

 

Sol de Março queima a dama no Paço.

 

Vento de Março, chuva de Abril, fazem o Maio florir.

 

Vento de Março e chuva de Abril fazem o vinho florir.

 

Vinho de Março, nem vai ao regaço

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:43
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 29 de Março de 2006

Pessoas da Minha Terra: A FAMÍLIA LIMA, da Valinha

passarinho.gif Família Lima, da Valinha, Padornelo
Família Lima, do lugar da Valinha. [Gentileza de Eduardo Daniel Cerqueira].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:36
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 21 de Março de 2006

Pessoas da Minha Terra: António José Alves, o SARAMANGÃO

passarinho.gif António Saramangão
António José Alves, "o Saramangão", (1907+1996), figura popular, ervanário, acordeonista.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 05:22
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 9 de Março de 2006

Zés-P'reiras de Padornelo

passarinho.gif Zés-P'reiras de Padornelo

Grupo de bombos e Zés-P'reiras "Amigos da Farra", de Padornelo, apoiou e animou a final da Taça de Honra da Associação de Futebol de Viana do Castelo, no Campo Municipal da Coutada, Arcos de Valdevez, a 28 de Fevereiro de 2006, que terminou com a vitória do Sporting Courense. [Gentileza de Eduardo Daniel Cerqueira].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 16:03
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 8 de Março de 2006

Primeiro Aniversário do Blogue PADORNELO

vela festa.gif 

PADORNELO: Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, faz hoje um ano, que em termos de blogosfera é uma idade considerável.

 

Neste aniversário não se vai falar das dificuldades e das infindáveis canseiras que tudo isto acarreta, mas somente do profundo prazer que foi, e ainda é, fazer e manter um projecto desta envergadura.

 

Embora longe da minha terra há mais de 35 anos, ela está, indiscutivelmente, sempre presente no meu coração e pensamento.

 

Um ano cumprido e comprido, resta desejar que venham mais. A todos os meus leitores, amigos e internautas, o meu sincero agradecimento, e um apelo: colaborem, porquanto este blogue é de todos os naturais, amigos e descendentes desta nossa magnífica terra. Bem hajam!

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 07:58
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Pessoas da Minha Terra: Mário Barreiro da Silva

vela festa.gif 

MÁRIO JOSÉ BARREIRO DA SILVA (Padornelo, 1923 + Padornelo, 2004) – Nasceu em Padornelo em 1923, filho de Manuel José Barreiro e de Au­rora Rodrigues da Silva. Faleceu no lugar das Angústias, Padornelo, a 6 de Junho de 2004.

 

     Tesoureiro da Junta de Freguesia de Padornelo (1971-1974).

Mário Barreiro da Silva
Mário Barreiro da Silva (1923+2004). [Gentileza de Fernando Abílio de Sá e Silva].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 07:12
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Pessoas da Minha Terra: Professor António José Lages

vela festa.gif

Professor ANTÓNIO JOSÉ LAGES (Linhares, 1857 + vila de Paredes de Coura, 1927) Natural da freguesia de Linhares, filho de Fortunato Lages e de Benedita das Dores Rodrigues Lages. Casado com D. Júlia Au­gusta Leite de Freitas Lages, professora primária oficial da escola da vila de Paredes de Coura, falecida em Abril de 1915. Fale­ceu na vila e freguesia de Paredes de Coura, a 15 de Agosto de 1927, foi inumado a 16 de Agosto no cemitério paroquial de Li­nhares.

                                 

Era pai de: D. Maria José de Freitas Lages Ribeiro (1885+1959), chefe da estação telégrafo-postal da vila de Paredes de Coura; D. Branca Clara de Freitas Lages, professora do ensino primário oficial da escola do sexo feminino da vila de Paredes de Coura; D. Ma­ria da Luz Freitas Lages, professora do ensino primário oficial da escola; D. Rosalina Cân­dida de Freitas Lages, pro­fessora do ensino primário oficial; D. Amélia de Freitas Lages, chefe da estação telégrafo-postal de Felgueiras; Eduardo de Freitas Lages, empregado fer­roviário; Aurélio Cândido de Freitas Lages, empregado comercial; José Firmino de Freitas Lages, empregado comercial; Deolindo de Freitas Lages, emigrado no Brasil.

                          

Pedagogo da Instrução Popular; professor formado (1877); professor do ensino pri­mário oficial da Escola Elementar do Sexo Masculino de S. Torcato de Guimarães (1895-1896); professor do ensino pri­mário oficial da Escola Elementar do Sexo Masculino de Padornelo, empossado a 8 de Maio de 1896 (1896-1917); louvado pela Inspecção Escolar pelo seu bom serviço (Dezembro de 1897).

                 

Zelador da festa de N.ª Sr.ª das Dores da vila de Pare­des de Coura (26 de Agosto de 1898); professor da aula nocturna do Atheneu Popular de Instrução e Recreio de Pa­redes de Coura, fundada a 4 de Outubro de 1904 (1904-1905).

              

Presidente da direcção do Atheneu Popular de Instrução e Recreio, da qual faziam parte: vice-presidente Dulcídio Hipólito da Cunha Ribas; tesoureiro Manuel Álvaro; 1.º secretário José Maria de Lima; 2.º secretário Joaquim Tomás Rodrigues Lages; vogais Domingos Rodrigues da Silva e António Maria Gomes, eleitos em Outubro de 1904 (1904-1905).

 

Fundador e vice-presidente do Centro Escolar de Pa­redes de Coura (1905-1907); 1.º se­cretário da direcção do Atheneu Popular de Instrução e Recreio, eleito a 17 de Julho de 1905 (1905-1906); vogal da Mesa Administrativa da Ir­mandade da Santa Casa da Miseri­córdia de Pare­des de Coura, eleito a 10 de Ju­nho de 1906 (1906-1908).

 

Fundador e vo­gal do Núcleo da Liga de Ins­trução de Paredes de Coura, fundado a 15 de Março de 1908 (1908-1910); fundador da Confraria de N.ª Sr.ª das Dores da Igreja Paroquial de Santa Maria de Paredes de Coura, a 7 de Feve­reiro de 1910.

 

Vogal da Comissão Administrativa da Confraria de N.ª Sr.ª das Dores da Igreja Paroquial de Santa Maria de Paredes de Coura, por alvará de 7 de Março e empossado a 17 de Março de 1910; 1.º subs­tituto do Juiz de Paz do Distrito de Paredes de Coura, nomeado em Agosto de 1910 (1910-1911).

 

Subdelegado do Procurador do Ministério Público na Comarca Judicial de Paredes de Coura, empossado a 12 de Junho de 1912 (Junho de 1912-Outubro de 1912); presidente da Mesa da Assembleia Eleitoral de Padornelo, nomeado a 11 de Dezembro de 1913 (1913); fundador e presi­dente da delega­ção concelhia de Paredes de Coura do Sindicato dos Professores Pri­mários de Portugal, eleito a 20 de Fevereiro de 1914 (1914-1915).

 

Presidente da Mesa da Assembleia Eleitoral para o ano de 1915, nomeado a 25 de Maio de 1915; alegando que tem mais de 40 anos de serviço efectivo e «que está impossibilitado de servir», solicitou a sua aposentação com o aumento do terço de ordenado, a 25 de Outubro de 1917.

 

Professor António José Lages
Professor António José Lages (1857+1927). [Gentileza de D. Maria da Luz Castro Marinho].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 06:52
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|