Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Ecce Homo

.Capela do Amparo

.Capela de Santiago

.Igreja de Santa Marinha

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. Eleições Autárquicas 2017...

. Eleições Autárquicas 2017...

. CAMINHADA À PENEDA 2017 –...

. CAMINHADA À PENEDA 2017 –...

. SESSÃO DE CAMPANHA DO PS ...

. CAMINHADA À PENEDA 2017 –...

. SESSÃO DE CAMPANHA DO PS ...

. SESSÃO DE CAMPANHA DO PS ...

. SESSÃO DE CAMPANHA DO PS ...

. SESSÃO DE CAMPANHA DO PS ...

.Arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Estou no Blog.com.pt
Domingo, 30 de Julho de 2006

A Minha Santa Mãe

    Na madrugada de 25 de Julho de 2006 exalou o seu último suspiro uma santa mulher, mãe e esposa, modelo exemplar de todas as virtudes terrenas impolutas. Embora recaia sobre mim a suspeita de parcialidade nestas afirmações, evoco em meu socorro o testemunho de todos aqueles que a conheceram e acompanharam ao longo da sua dolorosa existência.

 

    Ninguém, nunca em tempo e situação alguma lhe conheceu uma palavra maldosa, um sentimento mesquinho, um desejo nefasto, uma intriga contra terceiros, ou a mais pequena e malévola intenção de ferir ou menosprezar alguém. Nunca, em qualquer circunstância, disse mal de quem quer que seja, jamais manifestou sentimentos de pequenez mental que nos caracterizam, sendo sempre duma elementar simplicidade, a simplicidade dos justos e dos bons.

 

    O seu coração, sempre doente, era grande na bondade, duma incomensurável e sentida brandura, sem fazer alarde dessa distinção que a Providência lhe prodigalizara. O fumo das vaidades humanas e os defeitos da natureza terrena nunca lhe limitaram a limpidez do seu excelso carácter e, nela, tudo era a mais fina sensibilidade, sempre tão delicada na sobreexcelência das virtudes.

 

    Nada, nem os paliativos da medicina, te atenuaram os sofrimentos, que foram tantos, que foram imensos. A tua cruz, o teu calvário sobre-humano, não conheceu limites, nem pausas ou descanso. Foram 21 anos, desde aquele distante e nefasto ano de 1985, de operações constantes, de sucessivas doenças, e cada maleita era sempre pior que a anterior, a destruir-te mais ainda, esse já dilacerado corpo. Atroz sofrimento.

 

    Ficaste sem andar, sem te puderes mexer, tudo te sucedeu nesse pequeno e martirizado corpo. O teu penar, o teu supremo calvário, não conheceu limites, nem abrandou um pouco para te dar o merecido descanso, num constante e permanente ascendente de desgraças, sempre num crescendo horrendo de internamentos, cirurgias incontáveis, com diagnósticos sofisticados, que aniquilaram a tua condição física, mas nunca a tua férrea vontade.

 

    Sofreu duramente todas as penas possíveis e imaginárias, mas nunca cedeu ou desesperou. O seu limite, nunca excedido, foi e é ainda hoje para mim, uma absoluta surpresa. A tua fisionomia bondosíssima e tranquila, nunca mostrou um traço de perturbação, amargura ou desespero, a tua superior candura jamais conheceu momentos de desânimo.

 

    Como foi possível tanto sofrimento, sem qualquer palavra de desalento, um aceno de impaciência, uma contracção de enfado, sem uma lágrima no plácido rosto? Sofreste estoicamente, sem qualquer gesto de revolta ou desespero, com uma resignação absoluta, como se cumprisses algum obscuro e impenetrável objectivo oculto da Providência.

 

    Consumaste com a máxima dignidade a tua função de viver a vida que te foi dada, e enquanto força e saúde teve, a sua sublime missão de mulher, de mãe e de esposa. Por isso na hora fatal do teu desenlace não tive as interrogações e dúvidas que nos assaltam e dilaceram os pobres humanos. Porquê, tu? Nem mesmo, porquê, com tanta dor?

 

    Seja como for, mesmo com tamanha resignação foi crudelíssimo o teu sofrer, a tua desventura. Tudo, mas mesmo tudo, tu suportaste, sem gritos pungentes duma alma dorida, para além do limite da paciência e resistência humana, como quem nada receia.

 

    Se existe Céu, para além de qualquer dúvida semântica, adquiriste nele e por direito próprio o teu lugar, e aí, onde sei que estarás no remanso duma merecida paz celestial, peço-te que veles por nós, meu anjo da guarda, assim como tenho a certeza de que nunca de esqueceremos.

 

    Para que conste, Silvina de Jesus Barbosa de Lima, nasceste na freguesia de Padornelo a 22 de Setembro de 1928, e quando passaste os umbrais da eternidade, ficaram na maior dor o teu marido Ilídio Monteiro Alves, e os filhos António Inocêncio de Lima Alves, Norberto de Lima Alves, Jofre de Lima Monteiro Alves e Jorge de Lima Alves, e demais família.

 

   Na impossibilidade de agradecer a quantos manifestaram as sentidas condolências, aqui fica o meu bem-haja.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:19
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 28 de Julho de 2006

Restauro do Cruzeiro do Ecce Homo

Já estão concluídas as obras de restauro do cruzeiro do Ecce Homo. Como tinha sido noticiado, a parte de cima do cruzeiro tinha caído com o mau tempo. Agora já está reparado e a obra ficou muito bem feita.


Na última edição, por motivo de paginação, não foi publicada a notícia da festa de S. João nas Angústias. Esta festa decorreu na carvalheira da Sra. das Angústias e serviu “de aquecimento” para a festa que se realizou no fim-de-semana a seguir.

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, de 25 de Julho de 2006, página 16.

 

http://www.noticiasdecoura.com/index.php?pag=noticia_detalhes&recordID=1326

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:27
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima II

Susana Francisca Barbosa, Silvina de Jesus Barbosa de Lima e Esmeralda de Jesus Barbosa em 1929

A mais antiga fotografia da minha Santa Mãe, tirada em 1929, sendo ladeada pela minha bisavó Susana Francisca Barbosa e pela minha avó Esmeralda de Jesus Barbosa.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:32
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 25 de Julho de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima I

Silvina de Jesus Barbosa Lima em 1972Silvina de Jesus Barbosa Lima em 2002

SILVINA DE JESUS BARBOSA DE LIMA (1928+2006), natural de Padornelo, filha de Silvino de Lima e de Esmeralda de Jesus Barbosa, faleceu hoje, 25 de Julho de 2006, aos 78 anos de idade. Descansa em paz, minha Santa Mãe.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:00
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|

Quadras a S. João V

Vai de roda, vai de roda

Vai de roda, dá a mão,

Venham todos a Padornelo

Festejar o São João.

 

São João para ver as moças

Fez uma fonte com zelo,

Todas elas foram à fonte

Menos as de Padornelo.

 

São João adormeceu

No meio de Padornelo,

As moças deram com ele

Puseram-no a meter medo.

 

Há muito que em Padornelo

Não se festejava o São João,

Quero agora agradecer

A esta nova direcção.

 

Viva o Santo António

Viva o São João,

Viva Padornelo

Viva a Associação.

 

                         Estrela

 

Maria Alice Barbosa Vaz

Tojais – Padornelo

 

 

A vinte e quatro de Junho

Se festeja o São João,

O povo de Padornelo

Está em grande animação.

 

Nós somos de Padornelo

Como sempre bem unidos,

Festejar o São João

É um costume dos antigos.

 

Padornelo é linda terra

Somos desta freguesia,

Festejar o São João

Com amor e alegria.

 

Padornelo terra fidalga

Sempre pronta a trabalhar,

Gente boa e generosa

O São João a festejar.

 

Nós somos de Padornelo

Com isso temos vaidade,

Festejamos o São João

Com a nossa mocidade.

 

                         Micas

 

Maria da Conceição Barbosa Vaz

Sobreiro – Padornelo

 

Temas: ,
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:14
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 24 de Julho de 2006

Quadras a S. João IV

 

A freguesia de Padornelo é lindíssima

E tem uma bem organizada associação,

Dizem as gentes de Padornelo

Que foi com a ajuda de S. João.

 

Diz o povo de Padornelo

Que S. João era bom moço mas era muito gaiato,

Ia com as moças à fonte

Levava três e trazia quatro.

 

S. João para ver as moças de Padornelo

Fez uma fonte de prata,

As moças não vão à fonte

S. João até se mata.

 

No dia 24 de Junho

É o dia de S. João

Padornelo canta e dança,

Não faltando a sardinha, vinho e pão.

 

Viva a freguesia de Padornelo

E viva a associação,

Viva também os dirigentes

Não esquecendo o S. João.

 

                         Cara alegre

 

Jaime António de Sousa

Ponte Nova – Cossourado

 

 

Ao passar em Padornelo

Senti um grande arrepio,

Vi o S. João Baptista

Tomando banho no rio.

 

Sossega… amiga sossega!

S. João não quer duelo

Casou-se ontem à noitinha,

Na igreja de Padornelo.

 

Padornelo terra linda

Cheia de amor e paixão,

Moinhos, fontes e moças

Ao jeito de S. João!

 

Em Padornelo eu vi

Amizade e animação,

Toda a gente canta e dança

À custa de S. João.

 

S. João era um doente

Sofria do coração,

Em Padornelo as moças

Fogem para a associação.

 

                         Nini

 

Maria Eugénia Sousa

Ponte Nova – Cossourado

 

Temas: ,
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:05
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 23 de Julho de 2006

Quadras a S. João III

Ao passar por Padornelo

Comi um pouco de Pão,

Eu só peço muita sorte

Ó meu querido S. João.

 

Ao passar por Padornelo

Por terra que é tão bela,

Na noite de S. João

Que alegria foi aquela.

 

No dia de S. João

Quero ouvir música toca,

Eu não meu vou esquecer

De por lá também passar.

 

Ao passar por Padornelo

Tinha lá uma pinguinha,

No dia de S. João

Que alegria foi a minha.

 

                         O Cantador

 

 

Carlos Alberto Loureiro Rodrigues

Infesta

 

 

A Mozelos vai-se à Pena,

E p’ro Rock ao Taboão;

Padornelo leva a prenda

Nas festas de S. João.

 

Fui ao S. João ao Porto,

Em Braga, também parei;

Mas S. João ao meu gosto

Só em Padornelo encontrei.

 

Na noite de S. João,

Ao luar e Sete-Estrelo,

Hei-de lançar um balão

Que me leve a Padornelo.

 

Meninas de Padornelo

E moços que namorais,

S. João vos dá conselho,

E, vós, porque não casais?!

 

Porque ao S. João não vim

Meu amor não posso vê-lo

Santo, velai-o por mim,

No arraial em Padornelo.

 

                         4Folhas

 

José Bento Mota Gonçalves

Valongo

 

Temas: ,
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:47
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 22 de Julho de 2006

Quadras a S. João II

 

Ó meu rico S. João

Santo de muito poder,

Ajudai a associação

Da freguesia de Padornelo.

 

Ó noite de S. João

Ó sonho da mocidade!

Noite de tanta ilusão!

Noite de tanta saudade!

 

À fonte de S. João

De tradição tão velhinha,

Vão moças p’ra se casar

Atirar uma pedrinha.

 

Na fonte de S. João

Uma pedrinha atirei,

Foi tão certa a minha mão

Logo nesse ano casei.

 

Na fonte de S. João

Prometi serias minha,

Se tua mão acertasse

Lá no nicho uma pedrinha.

 

Maria Augusta Costa Silva Varajão

Senrelas - Padornelo 

 

 

Não tenho muita cultura

É meu rico S. João,

Apenas quero felicitar com estas trovas

A nova Associação.

 

Ó meu São João Baptista,

Dai-lhe força, para que trabalhem com zelo,

Para que se sinta orgulhoso

O povo de Padornelo.

 

Ó meu rico S. João

Vou fazer mais este apelo:

Dai apoio e boa sorte

À juventude de Padornelo.

 

Ó noite de S. João,

Mas que noite bem passada!

Aqui, em Padornelo, na associação

A comer sardinha assada.

 

Em nome de Padornelo,

Eu rogo a S. João:

Que dê muita saúde

À antiga associação.

 

                         Columbina

 

Zulmira Rosa Dantas

Lamarigo – Padornelo

 

Temas: ,
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:43
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 21 de Julho de 2006

Quadras a S. João I

Damos início hoje à publicação das quadras a S. João, concorrentes ao concurso alusivo organizado pela Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo e que se realizou a 23 de Junho de 2006, com os nossos agradecimentos ao Fernando Abílio de Sá e Silva, que teve a simpatia de nos enviar as respectivas quadras.

 

 

S. João é um santo

Milagreiro e popular,

Passou em Padornelo e deixou-nos cá uma fonte

Para irmos lá beber e nos deliciar.

 

S. João era popular

E levado da breca,

Foi à Fonte da Pedra

Encher a sua linda caneca.

 

S. João deixou-nos cá

A fonte da pedra para ir lá beber

E convido todos os courenses,

Para a virem cá conhecer.

 

S. João é santo

E fico todo contente,

Padornelo, espero que gosteis destas quadras

Ó minha boa gente.

 

S. João é santo

E muito milagreiro,

Passou em Padornelo

Entrou pela Outra Banda e saiu pelo Sobreiro.

 

Vidal da Silva Dias

Senrelas – Padornelo

 

 

Ó meu S. João Baptista!

E a todos faço apelo,

Visitai o parque de merendas

Na freguesia de Padornelo.

 

Ó meu rico S. João!

Olha o que eu vos vou dizer,

É na fonte da Pedra

Que há boa água para beber.

 

Ó meu S. João Baptista!

Ó meu Santo milagreiro!

Temos o Parque Infantil

No lindo lugar do Sobreiro.

 

Ó meu rico S. João!

És um Santo divertido,

E no lugar da Valinha,

Temos a Junta, a Associação e o polidesportivo.

 

Viva o S. João!

Viva toda a plateia!

É tudo bonito,

O que faz parte da nossa aldeia.

 

Joana Loureiro

Tojais – Padornelo

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 20:25
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 20 de Julho de 2006

Romance de Nossa Senhora das Angústias

Estando a Virgem Maria

Na sua cela assentada,

Sobre as suas amarguras

A triste nova chegava,

De que era morto seu Filho,

Rico penhor da sua alma.

 

Pelas ruas corre a Virgem,

E a quem via perguntava,

Se morto era seu filho,

Rico penhor da sua alma.

 

Diziam uns, que amarrado

A uma coluna estava:

Outros, que, pela cidade,

Sob uma cruz caminhava.

 

Indo a Virgem mais avante,

Uma mulher encontrava:

Vai-se logo a perguntar-lhe

Pelo que ela não achava.

 

A mulher era judia,

E assim mesmo a consolava.

- Por aqui passou um homem

Com uma cruz, que arrastava;

A cada passo que dava,

Toda a terra se abalava:

O lenho como era verde,

Até o chão atormentava;

Como fosse grande peso,

Cada instante ajoelhava:

O baraço na garganta

Era o que mais o magoava.

Ele me pediu um lenço,

Para limpar suas chagas,

Eu lhe dei a minha touca

Com que a cabeça toucava.

 

Tudo isto ouvia a Virgem

E cada vez mais chorava:

Indo a volver os seus olhos

No chão caiu desmaiada.

 

São João, seu bom sobrinho,

Pela mão a levantava.

- Levante-se, minha tia,

Que o que ouviu não será nada. –

 

Indo lá mais adiante

Com o Senhor se encontrava.

- Porque chora, minha Mãe,

Oh, minha Mãe da minha alma?!

 

- Não choro as almas perdidas,

Que por ti serão ganhadas;

Choro por ver tuas carnes

Tão doridas e rasgadas:

Choro por ver do teu sangue

As ruas ensanguentadas. –

 

- Ai! minha Mãe, minha Mãe,

Que esta gente vai ser salva!

Suba além, àquele outeiro,

Onde a cruz está cravada;

Quando o meu sangue correr,

Toda a culpa será pagada.

 

Fez o Senhor, testamento,

Nele a todos se deixava.

Deixou a S. Pedro, a chave,

Para que o Céu governara;

A S. Miguel, a balança,

Para que as almas pesara;

A S. João, o deserto,

Para que logo o habitara;

O coração deixa à Virgem,

Coração que tanto amara.

De todos já despedido,

Subindo à cruz expirara.

 

Vendo a Mãe, seu filho morto,

Com tamanha angústia de alma,

De Angústias lhe deu o nome,

Por ele fica adorado.

 

Fonte: LEAL, Augusto de Pinho – Portugal Antigo e Moderno: Dicionário, Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, 1875, volume VI, pp. 166-167.

 Padornelo, capela de Nossa Senhora das Angústias

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:51
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 12 de Julho de 2006

Padornelo: Utente do Centro de Dia vence concurso de quadras

Este ano, a noite de S. João foi vivida em Padornelo de forma diferente. A Associação organizou uma grande festa da qual constou o jantar para cerca de uma centena de pessoas, muitos jogos e muita música.

 

O espaço junto ao polidesportivo foi devidamente decorado, tornando-se no palco perfeito para o evento. O momento mais esperado da noite foi o concurso de quadras de S. João, que foi muito concorrido, tendo saído vencedor o senhor Carlos Alberto, da freguesia de Infesta e utente do Centro de Dia de Padornelo.

 

Em segundo lugar ficou o senhor Armando Dantas, de Padornelo, e em terceiro ficou a dona Maria Eugénia Sousa, da freguesia de Cossourado. Esta festa foi do agrado de todos e contou com a presença de pessoas vindas de vários pontos do concelho.


Torneio de futsal


Já arrancou o torneio de futsal denominado “Verão Festa”, organizado pela Associação Cultural e disputado no polidesportivo de Padornelo.


Como é habitual, foi instalado um contentor com chuveiros onde os jogadores podem tomar um duche de água quente no final do jogo. As obras nos balneários estão a decorrer em bom ritmo mas não ficaram prontas a tempo deste torneio. No entanto, o problema já foi resolvido e para o ano tudo estará em ordem.

                                                                                

Outro melhoramento no polidesportivo foi a construção do banco de suplentes. Agora os jogadores encontram-se todos dentro da rede protectora do campo e as substituições são feitas de forma mais rápida, sem ser necessário abrir e fechar portas. Desejamos boa sorte para todas as equipas e que vença a melhor.

 
Passeio da catequese


Realizou-se o passeio da catequese das paróquias de Padornelo, Parada e Mozelos. No dia 17 de Junho, as crianças, catequistas e respectivo pároco, rumaram até à Maia, para visitarem o jardim zoológico.

 

Todos adoraram os animais, principalmente o espectáculo das focas. Almoçaram ali e ainda tiveram tempo para ver o jogo Portugal – Angola. No regresso visitaram o santuário do Bom Jesus, em Braga.

 

Jorge Lima

Joana Pereira

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, página 15, edição de 11 de Julho de 2006.

 

http://www.noticiasdecoura.com/index.php?pag=noticia_detalhes&recordID=1302

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:38
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

IV Torneio de Futsal "Padornelo em Festa - Verão/2006"

Está a Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo a organizar o IV Torneio de Futsal "Padornelo em Festa - Verão/2006" que decorre no campo polidesportivo de Padornelo de 3 a 30 de Julho, com a presença de treze equipas.

 

A Série A é formada pelas seguintes equipas: Talho Filipe, F. C. Porreiras, “Os Barriguinhas”, Associação de Insalde, Linhares, Coura Peixe e Associação de Cunha, sendo a Série B composta da forma que segue: João Alberto Canalizações, Associação de Formariz, Associação de Mozelos, Associação de Ferreira, Associação de Parada e Auto Livramento.

 

Calendário dos Jogos

 

Dia 10 de Julho, a partir das 21 horas:

Associação de Mozelos – Associação de Formariz;

Talho Filipe – Associação de Insalde.

 

Dia 11 de Julho, a partir das 21 horas:

Coura Peixe – Linhares;

Associação de Cunha – F. C. Porreiras.

 

Dia 12 de Julho, a partir das 21 horas:

Associação de Parada – Auto Livramento;

Associação de Insalde – “Os Barriguinhas”.

 

Dia 13 de Julho, a partir das 21 horas:

Associação de Cunha – Coura Peixe;

F. C. Porreiras – Talho Filipe.

 

Dia 14 de Julho, a partir das 21 horas:

Auto Livramento – Associação de Formariz;

Linhares – Associação de Insalde;

João Alberto Canalizações – Associação de Mozelos.

 

Dia 15 de Julho, às 19 horas:

“Os Barriguinhas” – Porreiras;

Associação de Ferreira – João Alberto Canalizações;

Talho Filipe – Associação de Cunha.

 

Dia 17 de Julho, a partir das 21 horas:

Associação de Mozelos – Associação de Parada;

F. C. Porreiras – Linhares.

 

Dia 18 de Julho, a partir das 21 horas:

Associação de Cunha – “Os Barriguinhas”

Associação de Formariz – Associação de Ferreira.

 

Dia 19 de Julho, a partir das 21 horas:

João Alberto Canalizações – Auto Livramento;

Talho Filipe – Coura Peixe.

 

Dia 20 de Julho, a partir das 21 horas:

Linhares – Associação de Cunha;

Associação de Parada – Associação de Formariz.

 

Dia 21 de Julho, a partir das 21 horas:

Coura Peixe – Associação de Insalde;

Associação de Ferreira – Associação de Mozelos;

“Os Barriguinhas” – Talho Filipe

 

Dia 24 de Julho, às 21 horas:

1.º classificado da Série A – 4.º classificado da Série B, (jogo n.º 37);

2.º classificado da Série A – 3.º classificado da Série B, (jogo n.º 38);

 

Dia 25 de Julho, às 21 horas:

1.º classificado da Série B – 4.º classificado da Série A, (jogo n.º 39);

2.º classificado da Série B – 3.º classificado da Série A, (jogo n.º 40);

 

Dia 27 de Julho, às 21 h 30:

Vencedor do jogo n.º 37 – Vencedor do jogo n.º 40, (jogo n.º 41);

 

Dia 28 de Julho, às 21 h 30:

Vencedor do jogo n.º 38 – Vencedor do jogo n.º 39, (jogo n.º 42);

 

Dia 30 de Julho, às 18 horas:

Jogo para atribuição do 3.º e 4.º lugar

Final entre o vencedor do jogo n.º 41 e o vencedor do jogo n.º 42.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 19:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 9 de Julho de 2006

Quadras de S. João

Quadras de S. João, de Armando Manuel Dantas, que ficou em segundo lugar no concurso das quadras de S. João, que se realizou a 23 de Junho de 2006

 

Gosto muito de poesia

De alma e coração

Sinto muito alegria

Com as quadras de S. João.

 

S. João era maroto

Só com brincadeiras andava

E segundo diz a lenda

Também das moças gostava.

 

Noite de grande folia

A noite de S. João

Padornelo com alegria

Mantém viva a tradição.

 

Alho-porro e manjerico

Tudo serve para brincar

São casados e solteiros

Todos à roda a dançar.

 

Nesta noite há sardinhada,

Broa e vinho daquele bom.

Foi muito bem organizado

Parabéns à Associação.

 

A Associação está a trabalhar

Com muito gosto e zelo

Viva quem dela faz parte

Viva o povo de Padornelo.

 

Temas: ,
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 00:14
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 1 de Julho de 2006

RIFONEIRO DE COURA: a Sabedoria Popular - III

Julho

 

Em Julho abafadiço fica a abelha no cortiço.

 

Em Julho ceifo o trigo e o debulho, e em o vento soprando o vou limpando.

 

Em Julho nunca a água no rio fez barulho.

 

Em Julho reina o gorgulho.

 

Em Julho tudo farás, só o teu verde não ceifarás.

 

Julho ceifa-se o trigo e o debulho.

 

Julho quente, seco e ventoso, trabalha sem repouso.

 

Julho quente traz o Diabo no ventre.

 

Por todo o mês de Julho o celeiro atulho.

 

Quem trabalha em Julho para si trabalha.

 

Julho, colheita do feno e tosar as ovelhas, no Livro de Horas do Duque de Berry

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 10:00
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|