Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Ecce Homo

.Capela do Amparo

.Capela de Santiago

.Igreja de Santa Marinha

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

.Artigos Recentes

. LIMITES DA FREGUESIA DE P...

. BOTIRÃO DE DEITAR NO RIO ...

. FALECEU O SR. DOMINGOS BA...

. FALECEU O ABÍLIO PEREIRA

. FALECEU A NARCISA DA LAPA

. 60 ANOS DA PRIMEIRA EDIÇÃ...

. 60 ANOS DA PRIMEIRA EDIÇÃ...

. ACORDES DE PRIMAVERA 2017

. FALECEU A ANA DAS PINÇAS

. FALECEU A SENHORA MARIA O...

.Arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Estou no Blog.com.pt
Sábado, 30 de Setembro de 2006

Passeio à Peneda

No dia 19 de Setembro, os idosos dos centros paroquiais e sociais de Padornelo, Parada e Mozelos foram em passeio à Sr.ª da Peneda. Perto de quarenta idosos aproveitaram o dia para lembrar um local onde há anos iam frequentemente, levados pela devoção.

 

A visita começou com uma paragem na Senhora da Cabeça, Monção, e seguiu rumo ao santuário da Pendeda, onde foi celebrada a eucaristia.

 

Foi com fé e até emoção que estes idosos reencontraram o santuário e aquela bela paisagem. O almoço foi no parque de merendas de Lamas de Mouro, após o que foi hora de regressar, pela Gavieira, até casa.

 

Jorge Lima

 

Joana Pereira

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, de 26 de Setembro de 2006, página 16.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 29 de Setembro de 2006

Sobreiro Em Festa

No segundo fim-de-semana do corrente mês, como já é tradição, decorreu no Sobreiro a festa em honra de Nosso Senhor do Amparo. Na sexta-feira, como já é habitual, as gentes de Padornelo percorreram os caminhos da terra na majestosa procissão de velas. No final, houve concertinas e cantares ao desafio para alegrar o serão.

 

Sábado à tarde, houve o habitual chavelho, com tocadores de bombo e serviço de bar. A orquestra “Panamá” animou a noite com boa música. No domingo, foi a vez do Grupo Coral de Parada animar a eucaristia, à tarde, a procissão acompanhada pela fanfarra, percorreu caminhos deste lugar com um sol abrasador! O conjunto “Eclipse” actuou durante a tarde e a noite, encerrando as festividades.

 

Parabéns à Comissão de Festas pelo trabalho realizado no último ano que agora culminou com uma bonita festa!

 

Jorge Lima

 

Joana Pereira

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, de 26 de Setembro de 2006, página 16.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006

Um Museu da Educação Para Paredes de Coura

Por: Jofre de Lima Monteiro Alves

 

    Com a recente inauguração do edifício da Escola do 1.º Ciclo de Paredes de Coura e o conse­quente encerramento das antigas escolas primárias espalhadas pelas freguesias, o município ficou detentor dum património para o qual se perspectivam diversas alternativas de utilização, todas elas certamente interessantes.

 

    Umas das soluções para a ocupação desse espaço seria a instalação dum museu escolar e da educação, e para o qual e devido à sua situação geográfica de proximidade com a sede de conce­lho, o sítio ideal seria na antiga escola dos Tojais, lugar da freguesia de Padornelo. Ou em outra freguesia rural, como medida descentralizadora.

 

    Esse museu serviria para a recolha, conservação e museolização de todo o acervo patrimonial dos séculos XIX e XX. E teríamos tanto, tanto para expor. A quantidade e qualidade de material a tratar e exibir seria de uma suprema mais valia para o concelho. As cantigas infantis, lengalengas, os livros e materiais didácticos da nossa infância e dos nossos filhos, pais e avós, as carteiras e cadeiras por onde passaram sucessivas gerações, as ardósias e até as famigeradas palmatórias.

 

    Os cadernos de apontamentos de alguns alunos, as sacolas de serapilheira e pastas para trans­portar os livros, as lancheiras de lata onde era colocada a merenda, antes desta se passar a chamar lanche. Enfim todo uma série infindável de documentos e de património que sendo de todos nós, são na realidade pedaços da nossa infância e juventude.

 

    Para este interessante espaço museológico seria carreado todo o material legislativo dos sécu­los XIX e XX, livros de matrículas de alunos do concelho, programas do magistério primário. Todos os documentos e materiais passíveis de interessar a uma iniciativa desta natureza, seriam recuperados e conservados para memória futura.

 

    O museu em si conteria núcleos da escola pública da 1.ª Republica, do Estado Novo, e depois do 25 de Abril, ilustrados com fotografias e biografias de pedagogos courenses ou que trabalharam entre nós. Teríamos, assim, pelos menos três núcleos de natureza diversa, a retratar cada época.

 

    Nesses núcleos – por exemplo o do Estado Novo –, uma sala de aulas seria reproduzida na integra, e recheada com a secretária da professora, as carteiras e cadeiras dos alunos, o quadro negro e os paus de giz, o ponteiro, os manuais, as réguas de madeira, as ardósias, as palmatórias ao lado da longa cana, as famosas “orelhas de burro” usadas para enfeitar a cabeças dos premia­dos pelo azedume do professor ou dos pouco bafejados.

 

    Os castigos e maltratos a que as crianças estavam sujeitas, faziam parte do conceito de escola e educação de então. E ainda as canetas de aparo, os tinteiros, as paredes repletas de mapas geográ­ficos, e toda a simbologia que então enquadrava a escola, tais como a bandeira, o crucifixo, os retratos, em­bora estas coisas me tragam algum arrepio, como elementos figurativos da História e da época seriam im­prescindíveis.

 

    Para complementar, o museu seria enriquecido com um espaço lúdico com brinquedos da época, pois brincar também é aprender. Um espaço misto com cafetaria e livraria para venda de material diverso, e outro espaço destinado a exposições temporárias. E a ligação à escola e à comunidade com uma série de actividades programadas.

 

    Sem sombra de dúvida, um factor importante para a promoção e desenvolvimento do espaço rural. Para além disso seria na realidade um interessante projecto de dinamização cultural e pedagógico em conexão com a escola de hoje. Uma romaria de saudade de avós, pais, filhos e netos. E para Paredes de Coura um indiscutível investimento de sobeja categoria.

 

NOTA: este artigo foi escrito em Dezembro de 2004.

 Escola primária de Padornelo

Antiga escola primária de Padornelo, em Dezembro de 2005.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:03
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima XXV

Silvina de Jesus Barbosa de Lima em 2003

Silvina de Jesus Barbosa de Lima (1928 + 2006), em 2003, aos 75 anos de idade.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2006

Capela do Ecce Homo

Padornelo, Capela do Ecce Homo

Padornelo, capela do Senhor Ecce Homo, no lugar dos Tojais. [Gentileza de Fernando Abílio de Sá e Silva].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 10:54
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006

Padornelo no “Portugal Antigo e Moderno: Dicionário”, de Pinho Leal

    PADORNELO[1] – freguesia, Minho, concelho de Coura, comarca de Valença, 48 quilómetros a NO de Braga, 405 ao Norte de Lisboa. Tem 180 fogos. Em 1757 tinha 146 fogos. Orago: Santa Marinha, virgem e mártir. Arcebispado de Braga, distrito administrativo de Viana.

                                      

    Os Viscondes de Vila Nova de Cerveira apresentavam o abade que tinha 130$000 réis de rendimento[2]. Tinha mais, uma abadia simples[3], de apresentação da Casa de Bragança, que rendia 85$000 réis anuais. Esta segunda abadia, tinha sido dos Marqueses de Vila Real, que a perderam (com a vida) em 1641, por traidores à Pátria[4].

                                 

    Há nesta freguesia a capela do Senhor Ecce Homo[5], principiada em 1779[6], e ainda não está completamente acabada[7].

                                        

    É terra fértil e cria muito gado de toda a qualidade. É abundantíssima de caça, grossa e miúda, e tem algum peixe do rio Coura, que lhe fica perto[8]. Também recebe peixe do rio Minho, que lhe fica a Norte[9].

 

LEAL, A. Pinho – Portugal Antigo e Moderno: Dicionário, 1.ª edição, Lisboa, Livraria Editora Tavares Cardoso & Irmão, vol. VI, 1875, p. 404.

 

 



[1] Pretendem alguns que o seu nome é um diminutivo de padrão. A moderna etimologia tem outra explicação para este topónimo: vem de petruono, termo celta e anterior aos romanos, derivado de petru, que queria dizer quatro, e portanto significa a quadrícula, ou quadrado onde se cruzavam quatro caminhos, a encruzilhada. Era a terra onde se encontravam em cruzamento as linhas de comunicação.

                                   

[2] No século XVI tinha 30$000 réis de rendimento.

                                          

[3] O usufruto da abadia com direito de apresentação sofreu algumas oscilações ao longo dos tempos. No século XVI o direito de apresentação do abade com cura pertencia a diversos leigos, que por cessões sucessivas no primeiro terço de Quinhentos cederam-no à Casa dos Viscondes de Vila Nova de Cerveira, facto que se manteve até, pelos menos, ao século XVIII. A outra metade do direito de abadia sem cura com um simples benefício era da apresentação dos frades do mosteiro de Ganfei, direito que passou depois à Casa dos Marqueses de Vila Real até à fatídica conspiração de 1641. Nessa ocasião foi anexada à Casa Real de Bragança, donde transitou para a Casa do Infantado.

                               

[4] A Casa de Vila Real era verdadeiramente poderosa. Basta lembrar que lhe pertenciam os seguintes títulos nobiliárquicos e outros hereditários: Conde de Vila Real, Marquês de Vila Real, Duque de Vila Real, Conde de Alcoutim, Conde de Valença, Duque de Caminha, capitão-donatário de Ceuta, senhorio da vila de Caminha, senhorio e jurisdição de Valença, senhorio e jurisdição das terras de Valadares, alcaidaria-mor de Leiria, e demais honrarias que não cabem nestas linhas. D. Luís de Noronha e Menezes, que era 9.º Conde de Vila Real, 7.º Marquês de Vila Real, 6.º Conde de Alcoutim, 7.º Conde de Valença, 9.º capitão-general donatário de Ceuta, 7.º alcaide-mor de Leiria, Senhor de Valença, Senhor de Caminha, Senhor de Valadares, membro do Conselho de Estado, etc., foi executado e morreu degolado em Lisboa a 29 de Agosto de 1641, por ter tomado parte na conspiração do arcebispo de Braga D. Sebastião Matos de Noronha contra a vida do Rei D. João IV. Todos os bens desta abastada casa foram confiscados para a Coroa que com eles criou a Casa do Infantado para o filho segundo do Rei. Os benefícios religiosos que pertenciam a esta casa fidalga por via do Condado de Valença, foram assim incorporados na novel instituição, a referida Casa do Infantado, e de entre eles o benefício simples sem direito a cura da igreja de Santa Marinha de Padornelo.

                                                                            

[5] A freguesia tem as seguintes capelas: capela do Senhor Ecce Homo, no lugar do Tojais, do século XVII; capela de Nossa Senhora do Amparo, no lugar do Sobreiro; capela de Santiago, no limite divisório com a vizinha freguesia de Parada; capela de Nossa Senhora das Angústias, no lugar das Angústias, particular até 1973.

                                                      

[6] O padre dr. Narciso Alves da Cunha na sua obra “No Alto Minho: Paredes de Coura” (2.ª edição, 1979, p. 512), afirma que esta data esta errada: «a construção desta capela começou em 1776». E acrescenta que no ano de 1779 «devia talvez, ser aberta ao culto».

                                                                   

[7] A capela do Senhor Ecce Homo ficou terminada com a construção da torre sineira, concluída em 1871.

                                                            

[8] O ribeiro dos Brunheiros ou de Lagido atravessa a freguesia vindo de Insalde até desaguar no rio Coura. Completam a hidrografia da localidade os regatos das Laceiras e do Boira.

                                                            

[9] Realizou-se até cerca de 1960 nesta freguesia a feira de Padornelo, no lugar dos Tojais, a segunda em importância do concelho, com a periodicidade quinzenal.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 17 de Setembro de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima XXIV

Silvina de Jesus Barbosa de Lima em 2000

Silvina de Jesus Barbosa de Lima (1928 + 2006), minha Mãe, em 2000, aos 72 anos de idade.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 05:28
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Chamas Consomem Floresta e Destroem Anexo de Habitação

    Como já vem sendo hábito, infelizmente, nestes meses quentes os fogos consomem as florestas de Norte a Sul de Portugal. Paredes de Coura não quis ser a excepção desta regra e durante os meses de Julho e Agosto foram muitos os fogos que lavraram no nosso concelho, destruindo assim aquilo de que melhor possuímos!

 

    Na nossa freguesia, no Lugar das Angústias, muito do nosso bonito monte foi consumido pelas chamas. Uma casa do Lugar de Porto de Várzea chegou mesmo a correr perigo. Graças aos populares, que não pouparam esforços, evitou-se a tragédia. No entanto, ainda chegou a arder um anexo da casa onde o proprietário armazenava lenha e guardava ferramentas.

 

    É preciso sensibilizar as pessoas para esta dura realidade. Fogos que na sua maioria têm mão criminosa e que horrorizam a vida de muitas pessoas no Verão. Medidas são necessárias!

 

Jorge Lima

 

Joana Pereira

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, edição n.º 78, de 12 de Setembro de 2006, página 12.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:20
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006

Padornelo No Cortejo 2004

Padornelo no cortejo de 2004

Padornelo no Cortejo Etnográfico das Festas Concelhias de Paredes de Coura 2004. [Gentileza de Eduardo Daniel Cerqueira].

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 10 de Setembro de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima XXIII

Silvina de Jesus Barbosa de Lima em 1996

Silvina de Jesus Barbosa de Lima, minha Mãe, em 1996, aos 68 anos de idade.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:01
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006

Festa do Amparo

No próximo Sábado e Domingo, 9 e 10 de Setembro:

                                                                                                              

Ø      Festa de Nossa Senhora do Amparo, lugar do Sobreiro, Padornelo.

                                                                         

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:50
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 5 de Setembro de 2006

CAPELA DO SENHOR ECCE HOMO: História, Fundação e Descrição Artística

Padornelo, capela  de Ecce Homo

FUNDAÇÃO E FUNDADOR

 

    A fundação da capela deve-se à iniciativa e devoção do padre António Pedro Alves, que «promoveu uma subscrição importante, visto não haver fundos disponíveis para ela», e obteve as licenças necessárias do Arcebispo Primaz de Braga, Senhor D. Gaspar de Bragança (1716+1789).

 

    António Pedro Alves nasceu no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, a 26 de Agosto de 1745, filho de António Alves, de Padornelo, e de Ana Maria dos Santos, da freguesia de Paredes, concelho de Coura.

 

    Foi pároco encomendado da igreja matriz de Santa Marinha de Pa­dornelo durante 11 anos, por espaço de tempo intercalado, de 1782 a 1789, em 1803, em 1805, e, por fim, em 1815-1816.

 

    Faleceu no lugar do Sobreiro a 17 de Janeiro de 1828, com 82 anos de idade. Era irmão do padre José Luís Alves dos Santos, cura da paroquial igreja de Santa Maria de Paredes, do concelho de Coura.

 

OBRAS

 

    Em 1776 principiaram as obras, levadas a cabo pelo mestre João Rodrigues, da freguesia de Infesta, responsável pela obra de pedreiro e de pedraria. João Rodrigues, foi indiscutivelmente o mais prolixo e o maior mestre pedreiro do Alto Minho daquela época, na medida em que construiu também a igreja matriz de S. Paio de Agualonga em 1786, a capela de S. Sebastião, no lugar de Roriz, Infesta, em 1890, e trabalhou afincadamente na construção do Santuário de Nossa Senhora da Peneda, pelo menos em três distintos períodos: 1784-1788, 1793-1797 e 1802-1808.

 

    Embora as obras se prolongassem ainda por alguns anos, em 1779 foi aberta ao culto. A torre sineira seria acrescentada do lado norte do edifício, durante o século XIX e concluída em 1871 pelo mestre-pedreiro António Manuel Góes de Melo, de Lanhelas, com o significativo preço de 1.495$000 réis, e na realidade, não desmerece do restante complexo arquitectónico.

 

    Um pára-raios foi colocado em 1891, o qual custou, então, 161$000 réis.

 

ESTILO

 

    Caracterizada durante bastante tempo como um templo Barroco, é hoje definido como fruto da transição do estilo Barroco para o Neoclássico, próximo do exuberante estilo Rococó.

 

 

DESCRIÇÃO ARTISTICA

 

Escadaria

 

    O exterior do templo é contemplado com uma imponente escadaria frontal, formada por vários lanços e patamares, ornamentada no seu comprimento por balaustradas e pináculos, imitação, em ponto pequeno doutros escadórios típicos do Norte de Portugal.

 

Fachada Principal

 

    A frontaria, com rica ornamentação da fachada alicerçada na robustez do granito, prepara o visitante para o seu esbelto interior, em cuja fachada se destaca o corpo central, com uma altura mais elevada que a restante estrutura, e é, sem dúvida a obra prima da capela, e assim resulta ser o mais esbelto monumento religioso do concelho, segundo a comum opinião dos especialistas.

 

    O portal central é marginado por ondeantes motivos ornamentais de configuração vegetalista, e possui na pardieira a inscrição “ECCE HOMO”, sendo completada por uma cimalha. Acima desta temos duas pilastras equidistantes rematadas por capitéis compósitos, onde a sobressair do harmónico conjunto, destaca-se um frondoso e elegante janelão cujo caixilho com exuberante decoração faz a simbiose perfeita com o restante complexo.

 

    A coroar, e num contexto heráldico perfeito, assenta sobreposto a pedra de armas do Senhor D. Gaspar de Bragança, um dos “Meninos da Palhavã”, sagrado Arcebispo Primaz de Braga em 1757 e que aí morreu em 1789, filho natural reconhecido do Rei D. João V, e patrono do empreendimento.

 

    No topo do frontão repousam duas urnas e ao centro uma cruz. Na parte mais lateral da fachada descrita, vemos de cada lado do magnífico portal, um medalhão.

 

Torre Sineira

 

    A torre sineira é formada por três distintos corpos, sendo que no primeiro temos uma estreita porta suspensa sobre um varandim, sendo o segundo corpo enfeitado por um relógio, os sinos situados na terceira porção são visualizados através de quatro ventanas, e a terminar, assente numa balaustrada quadrangular marcada por quatro urnas de cantos, vemos, por cima a rasgar o céu, uma cúpula bolhosa de formato esguio, a sobressair em altura ao demais conjunto.

 

Interior

 

   Construída na segunda metade do século XVIII, merece uma visita cuidada. A capela é composta por uma nave única, semeada por retábulos, aonde sobressai um coro-alto bastante admirável, assente num imponente arco apoiado em grossas pilastras, decorado com talha dourada e pincelado por uma cor marmórea policromada de belo efeito.

 

    Logo na parte direita, sob o coro e encostado a uma porta cega, o Senhor dos Passos, imagem equilibrada, saúda o visitante. Encostados às paredes laterais, situam-se dois púlpitos virados um para o outro, encavalitados em carga sobre volumosas bases graníticas, cujas caixas são rectangulares e decoradas com talha dourada e ornatos vegetalistas.

 

    Seguem-se os quatro altares laterais, igualados dois a dois, enquanto do lado do Evangelho, identificamos os altares de Nossa Senhora da Assunção, onde figura também a Santa Rita, e o de Nossa Senhora das Dores. No sentido oposto, o da Epístola, simbolizam os altares da Imaculada Conceição, ao qual está anexado a Santa Bernardete, e o do Senhor da Cana Verde.

 

    Os altares são dum apreciável sentido estético e artístico, adornados com talha dourada onde predominam os ornamentos vegetalistas e rendilhados profusos, assentes contra um fundo branco.

 

    Situados entre os altares laterais aparecem pequenas mísulas adornadas com figurações de reduzidas dimensões de S. Bento, este da banda do Evangelho, e juntos aos altares opostos, o Senhor Ecce Homo.

 

    O retábulo do altar-mor e o seu frontão estão profusamente semeados por rendilhados decorativos, onde as colunas, entablamentos, urnas e degraus do trono são decorados com talha duma beleza ímpar.

 

    A guarnecer a estrutura retabular, já graciosa, dois anjos tocheiros banhados a talha dourada fazem a guarda de honra, onde predomina, ainda, um grande Cristo Crucificado. Ao fundo, a ladear as colunas do retábulo, mais duas mísulas, para o visitante repousar o olhar e ver as figuras da padroeira Santa Marinha e Santo António.

 

      Para completar o conjunto artístico de notável beleza, falta ver as sanefas da capela-mor com talha mariana, o sanefão do arco triunfal de feição rococó e talha de D. Maria, as sanefas da nave, tudo talha dourada dos finais do século XVIII, e de deslumbrante qualidade.

 

    A nave é coberta por uma abóbada decorada com pinturas, que representam a Nossa Senhora da Assunção, esta no âmbito da capela-mor, e junto ao arco triunfal figuram emblemas da Paixão de Cristo, tais como a escada, lança, dados, cordas.

 

    Ao centro da nave temos o “Ecce Homo”, e ao fundo nova demonstração da emblemática da Paixão de Cristo, desta feita, a cruz, cana com esponja de vinagre, coroa de espinhos, torquez, lança e manto, e que assim enquadram a temática com a própria evocação do templo.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:00
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 4 de Setembro de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima XXII

Silvina de Jesus Barbosa de Lima em 1995

Silvina de Jesus Barbosa de Lima, minha Mãe, em 1995, aos 67 anos de idade.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 01:02
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 2 de Setembro de 2006

RIFONEIRO DE COURA: a Sabedoria Popular - V

 

Setembro, mês da vindima no Livro de Horas do Duque de Berry Setembro, mês da vindima no Libro de Horas do Duque de Berry.

                                                                                                                   

Setembro

                     

Chuvas verdadeiras, em Setembro as primeiras.

 

Em Setembro ardem os montes e secam as fontes.

 

Em Setembro ramo curto, vindima longa.

 

Em Setembro S. Mateus, não peças chuva a Deus.

 

Em Setembro, S. Miguel soalheiro enche o celeiro.

 

Em Setembro secam as fontes e as chuvas lavam as pontes.

 

Em Setembro semeia o teu pão.

 

Se em Setembro a cigarra cantar, não compres trigo para guardar.

 

Setembro cara de poucos amigos, cara de figos.

 

Setembro é o Maio do Outono.

 

Setembro molhado, figo estragado.

 

Setembro ou seca as fontes, ou leva açudes e pontes.

 

Setembro que enche o celeiro dá triunfo ao rendeiro.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 18:46
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 1 de Setembro de 2006

Silvina de Jesus Barbosa de Lima XXI

Silvina de Jesus Barbosa de Lima, Jofre de Lima Monteiro Alves, Especiosa Sara Monteiro Alves e Esmeralda de Jesus Barbosa, 7 Março 1988, Padornelo

Silvina de Jesus Barbosa de Lima, minha Mãe, Jofre de Lima Monteiro Alves, Especiosa Sara Monteiro Alves (ao colo), e Esmeralda de Jesus Barbosa, minha Avó, em Padornelo, Paredes de Coura, a 7 de Março de 1988.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:03
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|