Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Ecce Homo

.Capela do Amparo

.Capela de Santiago

.Igreja de Santa Marinha

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. FALECEU O TONE DO SENRA

. LISTA DO PS CANDIDATA À ...

. ALMOÇO NAS ANGÚSTIAS 2017

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

. FEIRA DE PADORNELO 2017 -...

.Arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Estou no Blog.com.pt
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

Vídeo: PADORNELO: Festa do Amparo 2008

Vídeo feito com fotografias da festa em honra de Nossa Senhora do Amparo, realizada no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, concelho de Paredes de Coura, a 12, 13 e 14 de Setembro de 2008. Banda sonora com a CANA VERDE VELHA, do Rancho Folclórico do Alto Coura - Vascões, a CRUX FIDELIS, d'El-Rei Dom João IV, e o concerto da PRIMAVERA, de Antonio Vivaldi.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 16:17
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

PADORNELO: Festa do Amparo 2008

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:23
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
|

ESTUDANTE PADORNELENSE FOI DISTINGUIDO COM DIPLOMA DE MÉRITO

    No âmbito da iniciativa que visa premiar com um diploma de mérito e uma oferta de quinhentos euros, o Sérgio da Cunha Dantas, de Padornelo, filho de Zulmira do Céu Alves Gomes da Cunha Dantas e de Joaquim Barbosa Dantas, do lugar de Lamarigo, aluno finalista do ensino secundário oficial com melhor média final, recebeu, em cerimónia que decorreu no passado dia 12 de Setembro de 2008, os diploma de mérito e do 12.º ano.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 19:19
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

QUATRO ANOS À ESPERA DE OBRAS

    “Já são muitos anos à espera de obras nos caminhos da freguesia”, queixa-se Amâncio Barbosa, presidente da Junta de Padornelo.

                                  

    “Desde o ano de 2004 que foram pedidas obras para os vários caminhos e até hoje só o caminho de Portela viu as obras começarem, mas logo foram interrompidas por causa do saneamento. Estava tudo tratado, o orçamento feito, ainda foram feitos os regos e alguns arranjos no caminho, mas o empreiteiro abandonou a obra e até hoje não foi feito mais nada. Já falei com o presidente da Câmara, que me disse que as obras iam continuar, estou convicto que tal acontecerá ainda antes do fim do meu mandato, até porque os orçamentos já estão todos feitos”, foi-nos dizendo o autarca da freguesia.

                            

     Ainda segundo as palavras de Amâncio Barbosa, “caminhos da Igreja, Cortiça, Chousal, Requião e largo das Angústias são as artérias que esperam obras, com orçamentos prontos há três e quatro anos”.

                          

    Também os balneários do polidesportivo viram parar as obras por falta de financiamento, “enquanto não recebermos o que temos direito, não podemos continuar”.

                         

    Padornelo desespera pelo começo das obras, apesar da Junta “ter dado um jeitinho nos caminhos em pior estado, evitando assim mais buracos”, concluiu o autarca.

            

Juliana Cunha

                        

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, edição n.º126, de 23 de Setembro de 2008

                                

http://www.noticiasdecoura.com/index.php?pag=noticia_detalhes&recordID=3111

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 19:18
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008

FESTA DO FOLCLORE – 25 anos do Grupo Etnográfico da ACRDPC

FESTA DO FOLCLORE – 25 anos do Grupo Etnográfico da ACRDPC

 

Domingo, 28 de Setembro de 2008

15h00 – Largo do Visconde de Mozelos

Vila de Paredes de Coura

 

·        Rancho Folclórico de Veigas – Alcanede – Santarém;

·        Rancho Folclórico "As Lavradeiras de Penamaior" – Paços de Ferreira;

·        Grupo Folclórico de Lordelo do Ouro – Porto;

·        Grupo Etnográfico da A. C. R. D. Paredes de Coura.

 

Historial do Grupo Etnográfico

da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Paredes de Coura

 

«A lavoura tem nesta região, um feitio característico e pouco usado noutras partes do país. O seu “modus faciendi”, torna o amanho menos fatigoso, chegando, ás vezes a ser festivo por ser “de favor”. É a pratica de mutualidade de serviços, onde vizinhos e outras pessoas prestam o seu serviço, esperando que essa pessoa também as ajude quando necessitarem.»

 

in: Cunha, Narciso Alves da; “No Alto Minho, Paredes de Coura”

 

    É dentro deste espírito de cooperação mútua que a Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Paredes de Coura (ACRDPC) tem exercido as suas funções. Durante os seus 32 anos de vida, esta instituição de cariz cultural e social tem vindo também a praticar a mutualidade de serviços.

 

    Desde a sua fundação em 1976, a ACRDPC tem oferecido à comunidade courense e também à região alto-minhota um leque de actividades e serviços, onde apenas espera como recompensa o reconhecimento do seu trabalho, e a valorização da sua obra social, cultural e desportiva.

 

    Esta colectividade não quer separar-se do meio que a envolve, o Alto Minho Interior, sendo assim há uma contínua procura desde a sua fundação até aos dias de hoje, de tudo o que é típico desta região. Neste trabalho realizado por quase todos os seus membros, há uma recolha de tudo que estava a cair no esquecimento, como é o caso de canções, danças, lendas, jogos populares, orações antigas (que demonstram o fervor da crença das gentes do Minho), de processos antigos de agricultura e principalmente de trajes já caídos em desuso (principalmente do século XIX).

 

    Este trabalho de recolha de trajes antigos é executado em todas as freguesias courenses, refira-se que já foi possível recuperar (apesar dos acentuados custos) dois tipos de trajes antigos de grande valor, que foram os trajes dos Senhores da Casa do Outeiro (Agualonga) e ainda dos Viscondes de Mozelos.

 

    Devido a esta recuperação tanto a geração presente como a futura poderá ter acesso a tudo o que já foi usual, a tudo o que já fez movimentar a sociedade de antanho e é este também um dos grandes objectivos desta associação, ou seja, a ACRDPC pretende deixar um vasto e variado legado às gerações vindouras.

 

    Paredes de Coura, foi um concelho essencialmente agrícola, onde predominava a lavoura dos cereais, usufruindo assim do cognome de “Celeiro do Minho”, devido à sua actividade agrícola, e é à volta desta actividade que todo o nosso trabalho de recolha incide principalmente, mas não é caso isolado.

 

    Também a arqueologia tem lugar dentro das nossas actividades, e como o concelho é rico a nível arqueológico, a associação tem vindo a conseguir excelentes trabalhos de investigação e procura de materiais arqueológicos. Esta actividade teve mais vigor nos primeiros anos da ACRDPC.

 

A nível social, a colectividade tem vindo a exercer uma acção deveras exemplar, com a prestação de variadíssimos serviços à comunidade courense. Esta instituição já teve a seu cargo o transporte quer de jovens (de suas casas para o infantário, escolas e diversos locais e vice-versa), quer de idosos.

 

    Para usufruto dos seus sócios, e de toda a comunidade, a ACRDPC possui uma biblioteca que contém colecções, alguns estudos e trabalhos que poderão ser solicitados para consulta. Esta biblioteca é composta por livros adquiridos pela instituição e por ofertas

 

    Na sua sede social, funciona o núcleo de informática courense, secção pertencente á ACRDPC, onde principalmente os mais jovens, usufruem desse espaço e de todo o equipamento necessário.

 

    No patamar da animação cultural, o teatro tem um papel primordial. No passado houve formação e o ensino das artes teatrais a novos formandos. Assim sendo, foram encenadas grandes obras teatrais, como por exemplo: ”Frei Luís de Sousa” de Almeida Garrett. Desta forma há uma ocupação dos tempos livres, e leva-se, em especial os mais novos, a uma valorização da cultura.

 

    Também a dança rítmica, o bailado, é uma das actividades da associação, onde os membros mais jovens conseguem realizar grandes espectáculos de animação, satisfazendo grandemente o público que assiste a estes espectáculos.

 

    Mas os dois grandes embaixadores desta associação, logo da cultura courense e da alto-minhota, são o Grupo Coral e o Grupo Etnográfico.

    

    O grupo coral, data da fundação da associação em 1976 e desde então até 1986 (data da inactividade) abrilhantou diversos actos culturais e não só. Com efeito, o grupo coral contava com um extenso palmarés de actuações. O coral participou em diversos actos institucionais e oficiais, deixando a sua presença bem marcada em quem o ouvia. A sua acção também se prolongava ao campo religioso, onde efectuou algumas recolhas nessa área.

 

    Aquando de um trabalho de recolha e investigação nuns antigos baús pertencentes às Senhoras da Casa do Outeiro, foram encontradas umas valiosas partituras musicais, nas quais estava incluído o Hino de Paredes de Coura, que de imediato o Grupo Coral tratou de ensaiar e de apresentar ao publico. Hoje em dia, por todos sobejamente conhecido, esse hino passou a ser mais um dos símbolos de Paredes de Coura.

 

Grupo Etnográfico – 25 anos

 

    Foi em 1983, por altura das festas concelhias locais, que o Grupo Etnográfico se deu a conhecer. Inspirado no extinto Grupo Folclórico Miguel Dantas, o Grupo Etnográfico procurou uma recolha fiel de danças, de canções e de trajes do concelho de Paredes de Coura, sendo esse trabalho contínuo.

 

    Tem participado em inúmeros festivais, dentre os quais refira-se o Festival Folclórico do Alto Minho. O Grupo Etnográfico foi responsável pela organização do segundo festival (1992), que se veio a lograr um verdadeiro êxito, e pelo do corrente ano (realizou-se em Junho último).

 

    Quando é chamado para actuações para festas e diversos actos de instituições públicas e de solidariedade social da região, nunca nega a sua comparência, e está sempre presente quando é necessário.

 

    Já participou em várias gravações: áudio e também vídeo, possuindo uma gravação em cassete áudio com todos os temas do seu repertório. O grupo é composto por dançadores, tocata, cantadeira, cantadores, coro e também figurantes.

 

    Como exemplos do seu repertório, mencione-se: chula de Paredes de Coura, malhão de Paredes de Coura, chula dos montes, e em especial uma dança muito apreciada por todos os que a vêem a ser executada: o fandango de Paredes de Coura, que é uma dança de bailado por excelência entre homem e mulher. A forma como a tocata realiza o número e a forma rítmica como os pares executam as danças, conferem-lhe um estatuto especial entre as danças deste grupo.

 

    O Etnográfico conta com diversas actuações na região, por todo o país e estrangeiro. Como se pode ver o grupo é um digno embaixador da cultura courense, da cultura minhota, e da cultura portuguesa.

 

    Em todas estas actividades desempenhadas, o principal objectivo é o reconhecimento do seu trabalho, e a alegre confraternização de todos os seus membros.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 20:40
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

O SOBREIRO E A CAPELA DO AMPARO

Padornelo, capela do Amparo

    Vista a partir da torre sineira da capela de Nossa Senhora do Amparo, no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, em Agosto de 2007.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:33
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 13 de Setembro de 2008

CAPELA DO AMPARO: Um Curioso Episódio da História de Padornelo

Alta mor da capela do Amparo (Sobreiro, Padornelo)    Não vou aqui contar a história e a fundação da capela de Nossa Senhora do Amparo, mas tão-só abordar um curioso episódio da sua centenária existência.

                                        

    Ali por volta do ano de 1710 a capela encontrava-se em adiantado estado de degradação física, pelo que se tornou imperativo a feitura de obras de restauração.

                                                                             

    Das mesmas se encarregou um especialista, o escultor Brás Barbosa (1666+1733), natural de Padornelo, sendo aprazada a duração do empreendimento pelo espaço dum ano.

                                           

    Iniciadas em 1711, à boa maneira portuguesa sofreram de imediato atrasos de monta e ameaçavam eternizarem-se no tempo, não como as de Santa Engrácia, é claro, mas mesmo assim abusivamente prolongadas.

                                                            

    As paróquias naqueles tempos estavam sujeitas a matéria visitacional constante pela parte das autoridades religiosas de quem estavam dependentes.

                                           

    Durante essa pastoral da visitação eram rigorosamente observadas as posturas do clero em geral, as suas obriga­ções espirituais, a observância litúrgica, os ornamentos, o controlo dos fiéis, os testa­mentos e sufrágios, mas também a manutenção do asseio e estado de conservação das igre­jas.

                                                                                   

    A 21 de Junho de 1713 inspeccionou a paróquia de Santa Marinha de Padornelo o reverendo padre Custódio Ferreira Velho. Sisudo e de cenho carregado, vinha investido na prosápia dos títulos de licenciado em Cânones, comissário do Santo Ofício, abade de S. Julião do Calendário de Vermoim, arcediago do arcediagado de Vila Nova de Cerveira, cónego prebendado da Colegiada de Santo Estêvão de Valença e visitador da arquidiocese de Braga. Um currículo de estouro, em tempos de quase barbaresca ignorância.

                                                                              

    Remira aqui, espreita acolá, nada era deixado ao acaso, não havia vénia que o arredasse da sua missão fiscalizadora. Tudo era passado a pente fino, inflamado por ciclópico olho vigilante, seguindo à risca os cartapácios do Direito Canónico mais vernáculo.

                                     

    Logicamente um homem carregado com tantas honrarias e qualidades seria acervo de ferina severidade e rectidão. Achou imperdoável que umas obras programadas para um ano, volvidos dois ainda não estivessem concluídas. Podia lá ser tal despautério! Obra parada entra pelo bolsinho adentro na soma de cruzados!

                  

    E do alto do seu gabarito admoestou o abade padre Manuel Lourenço Soares de Lima (1672+1738), e o acólito padre António Fernandes Pacheco, mero cura coadjutor, a arcarem com meia culpa do deixa andar.

                                

Capela do Amparo, Sobreiro, Padornelo    De pronto o douto visitador fulminou o nosso artista de arte sacra com ásperas ameaças judiciais, deste modo e com mão inexorável:

    «Fui informado que Brás Barbosa escultor desta freguesia tem tomado a maior de dois anos as obras da capela de Nossa Senhora do Amparo sem lhe dar fim na forma do con­trato com que as aceitou pelo que mando que o Reverendo Pároco lhe diga que as acabe em termo de dois meses para o que procederá contra ele na forma da Lei».

                                   

    Na verdade e afora esta explicação, não sei se devido ao receio do anátema que sobre ele pendia, mas Brás Barbosa passou a obrar verdadeiros milagres, a trabalhar sem fraquejar a mata-cavalos, dava gosto ver a obra a progredir.

                                                                        

    A devoção ao trabalho na capela ocupava-lhe toda a boa parte da luz do dia, mercê de muito empenho e mestria na arte de marcenaria.

                                                                 

    Para tal contou porém com a especiosa ajuda doutro distintíssimo artesão local Manuel Vaz Alves (1675+1728), pintor de Arte Sacra e natural de Covas, lugarejo da freguesia de Padornelo, terminou de modo bem célere aquilo que parecia querer perpetuar-se.

                             

    E assim reconstruída a lufa-lufa, obedecendo a um plano de conjunto, ficou a magnifica capela que ali vemos no lugar do Sobreiro, graças ao trabalho de dois artistas de Padornelo.

 

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:08
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008

Faleceu o Senhor Francisco Barreiro

   No passado dia 10 de Setembro de 2008, quarta-feira, foi a sepultar o senhor Francisco Cândido de Abreu Barreiro, comerciante estabelecido na vila de Paredes de Coura e particular amigo da freguesia de Padornelo. Era filho de Francisco José Barreiro e de Emília Maria de Abreu.

 

    Seu pai, Francisco José Barreiro (1876+1959), natural da freguesia de Bico, foi no seu tempo uma destacada figura de Paredes de Coura, sendo professor do ensino primário oficial (1898), jornalista, correspondente de jornais, aspirante da Repartição de Finanças (1910), vice-presidente do Conselho Fiscal do Atheneu Popular de Instrução e Recreio (1917), irmão da Irmandade da Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura (1924), secretário e fundador do Núcleo de Paredes de Coura da Federação dos Amigos da Escola Primária em Paredes de Coura (1925), mesário da Confraria do Santíssimo Sacramento (1929), vogal da Comissão de Recenseamento Militar (1935-1936), e vice-presidente da Comissão Concelhia de Paredes de Coura para a Grande Subscrição Nacional a Favor da Compra do Palácio da Independência pela Sociedade Histórica da Independência de Portugal (1935). Era dedicado amigo e correligionário do padre Casimiro Rodrigues de Sá, abade de Padornelo.

 

    O caro e já saudoso amigo Francisco Barreiro herdou de seu pai a estima e veneração pela egrégia figura do abade de Padornelo, guardando com devoção algum do espólio, que teve a profunda amabilidade de me emprestar quando em Abril de 2006 organizei a exposição de homenagem ao padre Casimiro Rodrigues de Sá. Motivo, além de outros, pelo qual aqui deixo expresso o meu apreço.

 

    O senhor Francisco Barreiro era um conversador de raro encanto, com clara visão das coisas, um homem de carácter e de grande probidade moral. Como paladino de Paredes de Coura, a sua morte é uma perda irreparável para esta localidade que ele prezava de coração cristalino, até pelo grande conhecimento que tinha do nosso passado recente. Trabalhou e amou a sua terra até à última hora da sua nobre existência.

 

    Eram – ou foram – irmãos do extinto amigo: António Cândido de Abreu Barreiro, oficial de Justiça do Tribunal; João Cândido de Abreu Barreiro, carpinteiro; Manuel Cândido de Abreu Barreiro, empregado comercial; e Maria Cândida de Abreu Barreiro Pereira. Era tio de Francisco Cândido da Silva Abreu Barreiro, antigo deputado municipal e vereador municipal, funcionário de Finanças, tesoureiro da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Paredes de Coura, secretário da direcção do Sporting Courense, etc.

 

    Nesta hora triste, lembrei-me dumas quadras de Antero de Quental:

 

Ah! Deixa correr teu pranto

Sobre o chão do lupanar!

É sementeira de dores

Que andas triste a semear!

 

Que passe o Inverno por cima!

A primavera há-de vir!

As dores que tu tivestes

É no céu que hão-de florir!

 

    Nascera na vila e freguesia de Paredes de Coura a 7 de Abril de 1928 e faleceu no Hospital de S. Marcos, em Braga, a 9 de Setembro de 2008. Era casado com Benvinda Maria da Rocha Pereira.

 

    Sic transitt gloria mundi!

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 19:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Actividade Cultural e Recreativa em Paredes de Coura

Dias 12 (sexta-feira), 13 (sábado) e 14 de Setembro de 2008 (domingo)

Lugar do Sobreiro, freguesia de Padornelo

FESTA EM HONRA DE NOSSA SENHORA DO AMPARO

 

Sábado, 13 de Setembro de 2008

22h00 – Centro Cultural de Paredes de Coura

BAILES DO MUNDO

  • Baile com Valsa, Tango, Paso Doble, Cha-Cha-Cha, Axé, Samba, Quick Step, Slow Fox, Rumba, Jive (Rock'n'roll), Merengue, Bachata, Salsa, Kizomba e Kuduro.
  • Música, dança, animação interactiva, aula de iniciação e muita diversão.
  • Animador: João Bertocchini (Porto).
  • Musica ao Vivo + DJ: David Martins (Viana do Castelo).
  • Staff da Escola Latinu's (Porto).

 

Domingo, 28 de Setembro de 2008

15h00 – Largo do Visconde de Mozelos

FESTA DO FOLCLORE – 25 anos do Grupo Etnográfico da ACRDPC

Ø      Rancho Folclórico de Veigas – Alcanede, Santarém;

Ø      Rancho Folclórico "As Lavradeiras de Penamaior" – Paços de Ferreira;

Ø      Grupo Folclórico de Lordelo do Ouro – Porto;

Ø      Grupo Etnográfico da A.C.R.D de Paredes de Coura.

Organização: Associação Cultural Recreativa Desportiva de Paredes de Coura

 

Domingo, 28 de Setembro de 2008

Campo de Futebol de Castanheira

CORRIDA DE CAVALOS

  • 15h00

ü      Galope e Passo Travado;

  • 17h00

ü      Sorteio de Vaca da Sorte.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 18:14
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

Programa da Festa do Amparo, no Sobreiro

Cartaz da festa do Amparo, Sobreiro *Padornelo(

Festa em Honra de NOSSA SENHORA DO AMPARO

 

Sobreiro, Padornelo

 

Dias 12, 13 e 14 de Setembro de 2008

 

Programa:

 

Sexta-feira, 12 de Setembro:

·        8.ooh – Alvorada com morteiros;

·        9.00h – Durante o dia, música gravada pela Cabine Sonora “CASA RODRIGUES”, de Padornelo;

·        21.00h – Procissão de Velas, com saída da capela do Senhor Ecce Homo (Tojais) até à capela da Senhora do Amparo (Sobreiro);

·        22.00h – Arraial Nocturno com o Grupo JÚNIORE’S, de Porreiras.

 

Sábado, 13 de Setembro:

·        8.ooh – Alvorada com morteiros;

·        9.00h – Entrada do Grupo de Zés-P’reiras “OS AMIGOS DA FARRA” de Padornelo;

·        12.00h – Partida de fogo;

·        14.00h – Jogo do Chavelho;

·        22.00h – Arraial Nocturno com a Orquestra ECLIPSE, de Arcos de Valdevez;

·        24.00h – Fogo de Artifício.

 

Domingo, 14 de Setembro:

·        8.ooh – Alvorada com salva de morteiros;

·        11.00h – Missa e Sermão;

·        15.00h – Entrada da Escola de Musica LÁ-MI-RÉ, de Monção;

·        15.30h – Majestosa Procissão acompanhada pela Escola de Música;

·        16.30h – Actuação da Escola de Música LÁ-MI-RÉ;

·        21.00h – Encerramento das Festas.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:29
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 9 de Setembro de 2008

QUIM SÁ FOI CONDECORADO

    A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Paredes de Coura comemorou no passado dia 24 de Agosto de 2008 o seu 82.º aniversário com a atribuição de condecorações a alguns dos seus membros que têm contribuído de modo significativo para a existência da corporação.

 

    Entre os agraciados tivemos o prazer de ter um padornelense, Joaquim da Cunha e Sá, o “Quim Sá”, que foi condecorado com a medalha de mérito de assiduidade, a quem endereçamos os nossos parabéns.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:20
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

BODAS DE PRATA NAS ANGÚSTIAS

    A tradicional matança do porco das Angústias, que traz mais colorido e sabor ao Agosto da freguesia, foi oportunidade para Padornelo assistir à comemoração das bodas de prata matrimoniais de Orlando Monteiro [Fernando Orlando Barbosa Monteiro Alves] e Perfeita Alves [Maria Perfeita Beitez Ferreira Alves], na altura de férias em Paredes de Coura.

 

    O casal padornelense radicado na Suíça, esteve rodeado de amigos e familiares nesta data de tamanho simbolismo. Parabéns e até aos próximos vinte e cinco anos!

          

António Braga Barreiro

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, edição n.º 125, de 9 de Setembro de 2008, p. 15.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:18
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

VEM COMIGO MALHAR O CENTEIO...

    No passado dia 20 de Agosto [de 2008], um grupo de pessoas do lugar do Sobreiro recriou a antiga tradição de malhar centeio. Esta é uma actividade que noutros tempos exigia esforço físico, sendo agora realizada quase na totalidade por máquinas.

 

    Os molhos do centeio cultivados durante alguns meses, foram malhados, separando-se desta forma o grão de centeio da palha. Esta palha, que posteriormente foi escolmada, permitiu a separação da palha de centeio do colmo.

 

    Hoje em dia, poucas são as pessoas que fazem este trabalho. o colmo era usado nas cortes dos animais e na sua alimentação; a palha era usada na feitura de colchões. O centeio que se obtém é utilizado, por exemplo, na confecção do pão broa.

             

    Foi desta forma que se reviveu uma tradição, sendo o ensinamento passado aos mais novos, garantia de que certas actividades não se perderão com a passagem dos anos.

        

Joana Pereira

Jorge Lima

             

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, edição n.º 125, de 9 de Setembro de 2008, p. 15.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:15
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

PELA IGREJA

    Há muito tempo que o mês de Agosto esta associado a festividades religiosas. Este ano não foi excepção!

 

    No dia 17 [de Agosto de 2008], a par do erguer da bandeira na capela da Senhora do Amparo. Cátia Sofia Rodrigues fez a primeira comunhão. Esta menina, que vive com a família em França, recebeu assim pela primeira vez Jesus Cristo. À Cátia, muitos parabéns.

 

    No mesmo dia, Padornelo assistiu ao baptizado de Natália, a menina que nasceu com 27 semanas de gestação e hoje, a caminho dos dois anos, apresenta índices de desenvolvimento idênticos às de qualquer criança da sua idade. Filha de Sandra Tinoco e de António Barbosa, a Natália, residente no lugar no lugar da Cabeluda, recebeu o primeiro dos sacramentos na igreja de Ecce Homo desta freguesia. Para a Natália, pais e irmã as maiores felicidades.

 

    Já no dia 24 [de Agosto de 2008], também na igreja de Ecce Homo, Sónia Fernandes, natural de Padornelo, e Rui Barros, natural da freguesia de Linhares, uniram as suas vidas pelos laços do matrimónio. Ao jovem casal, votos de muita felicidade.

 

Joana Pereira

Jorge Lima

 

Notícia do jornal NOTÍCIAS DE COURA, edição n.º 125, de 9 de Setembro de 2008, p. 15.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:11
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 7 de Setembro de 2008

CAPELA DO AMPARO: Um Curioso Episódio da História de Padornelo em 1713

Capela de Nossa Senhora do Amparo, lugar do Sobreiro, Padornelo, em Agosto de 2007    Não vou aqui contar a história e a fundação da capela de Nossa Senhora do Amparo, mas tão-só abordar um curioso episódio da sua centenária existência. Ali por volta do ano de 1710 a capela encontrava-se em adiantado estado de degradação física, pelo que se tornou imperativo a feitura de obras de restauração.

                                                                             

    Das mesmas se encarregou um especialista, o escultor Brás Barbosa (1666+1733), natural de Padornelo, sendo aprazada a duração do empreendimento pelo espaço dum ano. Iniciadas em 1711, à boa maneira portuguesa sofreram de imediato atrasos de monta e ameaçavam eternizarem-se no tempo, não como as de Santa Engrácia, é claro, mas mesmo assim abusivamente prolongadas.

                                                           

    As paróquias naqueles tempos estavam sujeitas a matéria visitacional constante pela parte das autoridades religiosas de quem estavam dependentes.

                                          

    Durante essa pastoral da visitação eram rigorosamente observadas as posturas do clero em geral, as suas obriga­ções espirituais, a observância litúrgica, os ornamentos, o controlo dos fiéis, os testa­mentos e sufrágios, mas também a manutenção do asseio e estado de conservação das igre­jas.

                                                                                  

    A 21 de Junho de 1713 inspeccionou a paróquia de Santa Marinha de Padornelo o reverendo padre Custódio Ferreira Velho. Sisudo e de cenho carregado, vinha investido na prosápia dos títulos de licenciado em Cânones, comissário do Santo Ofício, abade de S. Julião do Calendário de Vermoim, arcediago do arcediagado de Vila Nova de Cerveira, cónego prebendado da Colegiada de Santo Estêvão de Valença e visitador da arquidiocese de Braga. Um currículo de estouro, em tempos de quase barbaresca ignorância.

                                                                             

    Remira aqui, espreita acolá, nada era deixado ao acaso, não havia vénia que o arredasse da sua missão fiscalizadora. Tudo era passado a pente fino, inflamado por ciclópico olho vigilante, seguindo à risca os cartapácios do Direito Canónico mais vernáculo.

                                    

    Logicamente um homem carregado com tantas honrarias e qualidades seria acervo de ferina severidade e rectidão. Achou imperdoável que umas obras programadas para um ano, volvidos dois ainda não estivessem concluídas. Podia lá ser tal despautério! Obra parada entra pelo bolsinho adentro na soma de cruzados!

                 

    E do alto do seu gabarito admoestou o abade padre Manuel Lourenço Soares de Lima (1672+1738), e o acólito padre António Fernandes Pacheco, mero cura coadjutor, a arcarem com meia culpa do deixa andar.

                               

    De pronto o douto visitador fulminou o nosso artista de arte sacra com ásperas ameaças judiciais, deste modo e com mão inexorável:

    «Fui informado que Brás Barbosa escultor desta freguesia tem tomado a maior de dois anos as obras da capela de Nossa Senhora do Amparo sem lhe dar fim na forma do con­trato com que as aceitou pelo que mando que o Reverendo Pároco lhe diga que as acabe em termo de dois meses para o que procederá contra ele na forma da Lei».

                                  

    Na verdade e afora esta explicação, não sei se devido ao receio do anátema que sobre ele pendia, mas Brás Barbosa passou a obrar verdadeiros milagres, a trabalhar sem fraquejar a mata-cavalos, dava gosto ver a obra a progredir. A devoção ao trabalho na capela ocupava-lhe toda a boa parte da luz do dia, mercê de muito empenho e mestria na arte de marcenaria.

                                                                

    Para tal contou porém com a especiosa ajuda doutro distintíssimo artesão local Manuel Vaz Alves (1675+1728), pintor de Arte Sacra e natural de Covas, lugarejo da freguesia de Padornelo, terminou de modo bem célere aquilo que parecia querer perpetuar-se.

                            

    E assim reconstruída a lufa-lufa, obedecendo a um plano de conjunto, ficou a magnifica capela que ali vemos no lugar do Sobreiro, graças ao trabalho de dois artistas de Padornelo.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 22:05
Regressar ao Topo | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008

FESTA EM HONRA DA SENHORA DO AMPARO

Festa em Honra de

NOSSA SENHORA DO AMPARO

 

Sobreiro, Padornelo

 

Dias 12, 13 e 14 de Setembro de 2008

 

Programa:

 

Sexta-feira, 12 de Setembro:

·       8.ooh – Alvorada com morteiros;

·       9.00h – Durante o dia, música gravada pela Cabine Sonora “CASA RODRIGUES”, de Padornelo;

·       21.00h – Procissão de Velas, com saída da capela do Senhor Ecce Homo (Tojais) até à capela da Senhora do Amparo (Sobreiro);

·       22.00h – Arraial Nocturno com o Grupo JÚNIORE’S, de Porreiras.

 

Sábado, 13 de Setembro:

·       8.ooh – Alvorada com morteiros;

·       9.00h – Entrada do Grupo de Zés-P’reiras “OS AMIGOS DA FARRA” de Padornelo;

·       12.00h – Partida de fogo;

·       14.00h – Jogo do Chavelho;

·       22.00h – Arraial Nocturno com a Orquestra ECLIPSE, de Arcos de Valdevez;

·       24.00h – Fogo de Artifício.

 

Domingo, 14 de Setembro:

·       8.ooh – Alvorada com salva de morteiros;

·       11.00h – Missa e Sermão;

·       15.00h – Entrada da Escola de Musica LÁ-MI-RÉ, de Monção;

·       15.30h – Majestosa Procissão acompanhada pela Escola de Música;

·       16.30h – Actuação da Escola de Música LÁ-MI-RÉ;

·       21.00h – Encerramento das Festas.

Cartaz da festa do Amparo, Sobreiro, Padornelo 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 16:03
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 2 de Setembro de 2008

ALMINHAS DE PADORNELO VI

Aliminhas do Amparo

Alminhas do Amparo, localizadas no muro da capela de Nossa Senhora do Amparo, no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, concelho de Paredes de Coura. Fotografia de Fevereiro de 2002. Gentileza de Fernando Abílio de Sá e Silva.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:23
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

ALMOÇO E ENCONTRO DE CONCERTINAS NA CASA COURENSE

CASA COURENSE EM LISBOA

 

1.º ENCONTRO DE CONCERTINAS

 

DIA 14 DE SETEMBRO DE 2008

 

NA SEDE: Rua General Taborda, nº 18 – Porta 7, Campolide – Lisboa

                                                                                 

PROGRAMA

 

12H30 – ALMOÇO

Ø     ENTRADAS

Ø     ARROZ DE BACALHAU à Moda das Lavradas     

Ø     VINHO VERDE

Ø     SUMOS

Ø     AGUA

Ø     SOBREMESA

 

15H30 – ENCONTRO DE CONCERTINAS

(PRÉMIO PARA OS MELHORES TOCADORES)

 

MARCAÇÕES

ü     Sede: 213880094

ü     Vitorino Cunha: 213851180

ü     José Santos: 916835691

ü     José Fernandes: 213428828

ü     João Cunha: 2188661247   

 

Preço: 15 € [quinze euros]                                     

 

A SALA TEM NÚMERO DE LUGARES LIMITADO

 

Faça a sua reserva até ao dia 12 de Setembro de 2008

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:35
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|