Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PADORNELO

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

PADORNELO

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt
18
Out07

UMA LINDA HISTÓRIA

    Se pensarmos bem, todas as coisas têm a sua história. E hoje veio-me à ideia a História das Alminhas de Lamarigo, que conheço bem, há perto de sessenta anos.

 

    Era eu criança e pas­sei muitas vezes à beira das suas pedras, que es­tavam caídas no início do caminho que liga o lugar de Lamarigo ao lugar de Requião. Ouvia dizer às pessoas que lá passavam: estas pedras eram dumas alminhas que aqui existi­ram, mas já lá vão muitos anos que estão no chão.

 

    Um dia, teria eu dez anos, juntamente com mais dois colegas, resol­vemos levantar uma pedra e lá vimos a data da sua construção – 1766.

 

    Agora sei que o que vos vou contar, muita gen­te não vai acreditar, mas posso-vos dizer que isto foi a realidade. Minha mãe, hoje com noventa anos, ainda afirma que viu muitas vezes da janela da nossa casa, onde se viam essas pedras no chão, de lá sair, quase todas as noi­tes, uma luz muito fraca.

 

    Vinha até à fonte de La­marigo, cerca de 60 m e depois voltava a aparecer de novo, próximo das pe­dras, tomando a fazer o mesmo percurso. Isto acontecia vezes sem con­ta. Mas não era só a mi­nha mãe que via isto, eram várias pessoas, algumas delas ainda hoje vivas.

 

    Eram os tais tempos difíceis, em que não havia di­nheiro para nada. Mas, o meu tio paterno, hoje com 81 anos, Abílio Dantas Barreiro, “Abílio do Lavra­dor”, meteu mãos à mas­sa e com a ajuda de algu­mas pessoas que deram os seus donativos, mandou­-as reconstruir em 1958.

 

    A partir dessa data, por incrível que pareça, a lu­zinha, como a gente aqui lhe chamava, nunca mais se tomou a ver. A nossa gente começou a ter uma grande devoção com es­tas alminhas e realmente tem razão para isso, que elas são milagrosas não há dúvida; eu que o diga!

 

    Mas agora, não vai muito tempo, o dito cami­nho foi alargado e o muro onde elas estavam colo­cadas teve de ser demoli­do, incluindo as alminhas, claro. Depois de novo muro estar feito, voltaram a ser reconstruídas, mas desta vez... cuidado!

 

    A nossa Junta meteu mãos à massa e pôs lá esta coisa linda, que se pode ver [...]. Passe por lá, veja se não parece um altar em pedra. Faça-lhes uma prece e depois poderá dizer qualquer coisa.

 

    Deixo aqui um bem-­haja muito grande ao meu tio “Abílio do Lavrador”, porque sei o que lhe cus­tou mandar pôr em pé to­das aquelas pedras, algu­mas delas em mau esta­do, e como ele há tantos anos as tem tido a seu cargo, considerando como uma das melhores coisas que tem feito na sua vida.

 

    Deixo também aqui um muito obrigado à Junta de Freguesia, em especial ao Presidente, Amâncio Bar­bosa, que teve de ir mui­tas vezes à Câmara para arranjar o dinheiro, para que esta obra ficasse tão bonita.

 

    Bem-haja a todos.

 

Padornelo, Setembro de 2007

 

Ilídio da Silva Dantas Gomes

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt