Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PADORNELO

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

PADORNELO

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt
10
Nov07

A HISTÓRIA, A LENDA E OS PROVÉRBIOS DE S. MARTINHO

S. Martinho na História

    S. Martinho de Tours ou simplesmente S. Martinho, nasceu na Panónia, actual território da Hungria, no ano de 316, filho dum oficial do exército romano.

 

    Aos 16 anos de idade, sendo já catecúmeno – aquele que se prepara e instrui para o baptismo – entrou para o exército, onde atingiu o posto de oficial da Guarda Imperial. Abandonou a vida castrense, e como discípulo de Santo Hilário recebeu ordens sacras de frade em 354.

 

    Em 361 fundou um mosteiro em Ligugé (Poitiers, França), sendo ordenado bispo de Tours em 371, e foi o maior propagador da fé da Gália, hoje França.

 

    Faleceu em 397, e durante muitos séculos foi um dos santos mais populares da Europa, cuja memória litúrgica é comemorada a 11 de Novembro, data em que foi enterrada em Tours, França.

 

S. Martinho na lenda

    No ano de 338, quando ainda era militar do exército imperial romano, durante uma ronda nocturna no rigor dum impiedoso Inverno encontrou um pobre seminu que lhe implora caridade, a quem querendo acudir e como não tinha dinheiro, sacou da sua capa, e cortou-a ao meio para a partilhar com o desconhecido.

 

    Na noite seguinte, durante o sonho viu Jesus vestido com aquela porção de capa, que lhe agradeceu ter-lhe dado metade da mesma.

 

    Outra versão da lenda, relata que partilhou a sua capa com um soldado pobre e roto. A lenda de S. Martinho, nasceu, segundo algumas versões, quando algumas árvores floriram durante o trajecto em que o seu corpo foi levado de Candes, onde faleceu, até Tours, onde seria sepultado.

 

    Seja como for, e conforme reza a lenda, todos os anos nos primeiros dias de Novembro desponta sempre um Sol de Estio para recordar o bondoso gesto de S. Martinho, e por esses dias o céu e a terra aquecem, de modo a que mais nenhum ser humano passe o tremendo frio que assolou o mendigo dos tempos lendários.

 

S. Martinho na Etnografia

    Esta é a altura dos magustos, que estaria primitivamente relacionado com o culto dos mortos e com as celebrações de Todos os Santos e Fiéis Defuntos.

 

    É também, e sobretudo, a festa vinícola, ocasião em que se prova o vinho novo, se atestam as pipas, e que noutras eras foi celebrada em muitos sítios com afamados cortejo de bêbados, galhofando com as procissões religiosas, numa versão báquica, onde nas adegas se bebe livremente em burlescas fraternidades, numa associação de vinho e castanhas. O S. Martinho é, ainda, ensejo de matança de porco.

 

    O seu dia coincide com a período do ano em que se realça o culto dos antepassados e com a época do calendário rural, em que acabam os trabalhos agrícolas e se principia a fruir das colheitas, nomeadamente do vinho e dos frutos, leva a que a festa deste santo tenha um profundo elemento de exuberância prazenteira que hoje tende a predominar.

                                                    

S. Martinho no Alto Minho

    S. Martinho é presença quase constante em todo o distrito, com as estranhas excepções de Valença e de Vila Nova de Cerveira, onde não consta em nenhuma paróquia como santo padroeiro.

 

    Em Paredes de Coura como seu orago temos a freguesia de S. Martinho de Coura, e o caso particular de Vascões, embora oficialmente o orago seja S. Pedro, foi conhecida e referenciada durante muito tempo por S. Martinho de Vascões.

 

    No Vale do Minho, aparece em Caminha na freguesia de Lanhelas; em Alvaredo e Cristóval, na jurisdição de Melgaço; e na freguesia de Parada, no concelho de Monção.

                      

    Na Ribeira Lima vemo-lo no município de Arcos de Valdevez como orago das freguesias de Cabana Maior, Mei e Soajo; em Britelo, Crasto e Paço Vedro de Magalhães, no concelho de Ponte da Barca; em Ponte de Lima surge nas freguesias de Fristelas e de Gandra; e por fim, em Viana do Castelo, nas freguesias de Freixieiro de Soutelo, Outeiro, Vila Fria e Vila Mou.

 

Provérbios de S. Martinho 

  • A cada bacorinho vem o seu S. Martinho.
  • A cada porco vem o seu S. Martinho.
  • As geadas de S. Martinho levam a carne e o vinho.
  • Dia de S. Martinho vai à loja e prova o vinho.
  • Dia de S. Martinho, come-se castanhas e bebe-se vinho.
  • Dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • Dos Santos a S. Martinho são nove dias de pão e vinho.
  • Em dia de S. Martinho atesta e abatoca o teu vinho.
  • Em dia de S. Martinho semeia teus alhos e prova teu vinho.
  • Em Novembro S. Martinho vai à adega e prova o vinho.
  • Em Novembro S. Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • Em Novembro se queres pasmar teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo S. Martinho.
  • No dia de S. Martinho assa castanhas e molha-as em vinho.
  • No dia de S. Martinho fura-se o pipinho, mas quem for honrado já o deve ter furado.
  • No dia de S. Martinho mata o teu porco e bebe o teu vinho.
  • No dia de S. Martinho mata teu porco, chega-te ao lume, assa as castanhas e bebe o teu vinho.
  • No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho.
  • No dia de S. Martinho, come-se castanhas e bebe-se vinho.
  • No dia de S. Martinho, fura o teu pipinho.
  • No dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho.
  • No dia de S. Martinho, mata o teu porco e bebe o teu vinho.
  • No dia de S. Martinho, mata o teu porco, chega-te ao lume, assa castanhas e prova o teu vinho.
  • No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o teu vinho.
  • No S. Martinho mata o porco e barra o vinho.
  • Novembro pelo S. Martinho, comem-se as castanhas e prova-se o vinho.
  • Novembro pelo S. Martinho, mata teu porco e bebe o teu vinho.
  • Novembro pelo S. Martinho, nem nado, nem cabecinho.
  • Novembro pelo S. Martinho, prova o teu vinho; ao cabo de um ano já te faz dano.
  • Novembro pelo S. Martinho, semeia o teu cebolinho.
  • O Sete-Estrelo pelo S. Martinho, vai de bordo a bordinho; à meia-noite está a pino.
  • Pelo S. Martinho abatoca o pipinho.
  • Pelo S. Martinho bebe o vinho, deixa a água para o moinho.
  • Pelo S. Martinho castanhas assadas, pão e vinho.
  • Pelo S. Martinho deixa a água para o moinho.
  • Pelo S. Martinho mata o teu porquinho e semeia o teu cebolinho.
  • Pelo S. Martinho prova o teu vinho; ao cabo de um ano já não te faz dano.
  • Pelo S. Martinho semeia o teu cebolinho.
  • Pelo S. Martinho todo o mosto é bom vinho.
  • S. Martinho bebe o vinho, deixa a água para o moinho.
  • Se o Inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo S. Martinho.
  • Se queres pasmar o teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo S. Martinho.
  • Verão de S. Martinho são três dias e mais um bocadinho.
  • Vindima em Outubro que o S. Martinho to dirá.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt