Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

O EPISÓDIO DA BENTA DE PADORNELO NA OBRA «A CASA GRANDE DE ROMARIGÃES»

Por: Jofre de Lima Monteiro Alves

 

    Em Julho de 1957 Aquilino dava à estampa A Casa Grande de Romarigães, um marco de maturidade e porventura o livro ímpar na História da Literatura do século XX, um monumental fresco que se desenrola em terras de Coura.

                           

    A obra, ágil, vertiginosa e deliciosa, retrata de forma esplendorosa as vicissitudes e o evoluir das gerações duma família fidalga através dos séculos, com uma perícia soberba e narrativa fulgurante, verdadeira obra-prima dum magistral escritor, na sua estilística muito peculiar.

 

    O centro da trama é a Casa do Amparo, na freguesia de Romarigães, mas a obra serpenteia e abraça prenhe diversas aldeias e terrinhas courenses, aqui e ali sempre com vénia pictórica. Entre elas, citada várias vezes, vemos referências consubstanciadas à freguesia de Padornelo. Venha comigo para saber como.

 

    Histórica e documentalmente o dr. Fernando Luís de Antas de Mendonça e Azevedo, 5.º Senhor da Casa do Amparo, casou em 1726 com D. Joana Angélica Marinho do Amaral. Decorridos três anos nascia o primogénito e herdeiro, ficando assegurada a imprescindível sucessão e continuidade da casa. Eis a verdade dos factos.

 

    Mas na sua crónica romanceada Aquilina fabula. No enredo, volvidos anos de casório o estéril casal desespera, apesar de felizardos, «um espinho manifestamente os pungia: não ter filhos». D. Joana, idade de matrona, o malfazejo relógio biológico avança desabaladamente, toma toda a espécie de panaceia e «ervas miraculosas».

 

    Nanja, era necessário um milagre, e por aquelas brenhas visigóticas, milagreira de ciência certa, encartada com resultados bastos como pinheiros, somente «a benta de Padornelo, por uns tida como mulher de virtude, por outros como bruxa e baldorneira de baixo coturno».

 

    Como não engravidada de modo algum, nem com abençoadas missas de rogo, mal despontou a Primavera, ao colo dum raio de sol e esperança, lá foi a morgada de abalada até Padornelo a fim de tomar alvedrio e mezinha com a tal “mulher de virtude”. Esta, ouvida a desgraça que a esmagava, do alto da sua sapiência decretou taxativa.

 

    O remédio infalível para «gerar o herdeiro» almejado dependia numa romaria a Santa Justa, em S. Pedro de Arcos, no concelho de Ponte de Lima, acrescentando lampeira com recados particulares dirigidos ao ouvido de D. Joana Angélica: tinha que «ir à festa com teu esposo e dormir com ele debaixo duma giesteira que esteja ainda a deitar flor». O segredo, porém, estava na janta que na véspera devia ser servida ao marido, uma mistela de caldo de nozes de sapucaia, que «vendem-se na botica».

 

    E acrescentava, para apaziguar espíritos pudicos e ouvidos sensíveis de damas fidalgas pouco atreitas a devaneios amorosos ao relento: «não te espantes do que vires ou ouvires à tua volta. Olha que vai lá muita gente para o mesmo fim». A cena deveria fazer corar de vergonha o nazareno.

 

    A benzedeira de Padornelo, mulher de sete ofícios e sábia defensora dos interesses da corte dos santos, impôs o tributo necessário: «oferecer à virgem miraculosa Santa Justa um casal de frangos brancos [...] que tanto o galispo como a franga não hão-de ter conhecido galadura».

 

    Era de monta o sacrifício para obter a divina graça, a exigir dares e tomares: caldo de jacapucaio, romaria a Santa Justa do Monte, cópula carnal ao léu, um punhado de sal, escassas moedas e dois franganotes virgens! Resignado, Fernando Luís de Antas de Mendonça, curvou-se diante da imposição, tal era a ânsia de procriar o desejado herdeiro: «se o remédio é esse, filho tem a prima».

 

    Em Julho de 1728, lá vão a trouxe-mouxe em direitura a Santa Justa do Monte de Arcos, escoltados por um merendeiro de estalo, mais o capelão da casa, a criadagem indispensável, raparigas com adufes e um rapazote a rufar «um tambor endiabrado». Por caminhos «tortuosos e estreitos como barbantes» vinha ali desaguar gentalha «da Ribeira-Lima, das terras de Coura e de Vez» a fim de «cumprir um voto, que remontava a tempos imemoriais».

 

    A descrição da romaria em louvor a Santa Justa é verdadeiramente sublime, uma alegoria, cuja leitura se recomenda vivamente ao leitor mais entusiasta, talvez a melhor página da literatura portuguesa da centúria de novecentos.

 

    Os morgados da Casa do Amparo cumpriram o ritual da «procissão arcaica», finda a qual «homens e mulheres embrenharam-se aos pares pelo giestal em flor», não sem antes depositarem aos pés da santa o casal de galináceos brancos.

       

     Mais uma reza fervorosa, a alma purificada é necessária para toda a casta de favores do céu, e ei-los sorrateiros pelo mato de giesta adentro, até «ao sítio onde as escravas lhes haviam feito a cama», tálamo para o «delírio amoroso».

 

    Encoberto no plenilúnio, troava uma orquestra de altíssimos «suspiros e gemidos», e ali mesmo ao lado, «uma mulher chiava como pucarinha cheia de água quando começa a aquecer ao lume».

                

    D. Joana, imersa na tarefa hercúlea de conceber um sucessor, precavida, «fechava os olhos e tapava os ouvidos», arrolhava em vão todos os sentidos, tamanha era a gemedeira dos corpos entrelaçados num festim. Insistia, persistia e entregava-se toda, em nome do sacro desejo absoluto, não havia ali pecado da carne, tal como «a prevenira a benta de Padornelo que era preciso cumprir o voto».

 

    Aquilino afirma peremptório que o tal filho cobiçado, «não lho trouxeram as cegonhas», porém os historiadores e genealogistas sabem que o casal teve descendência para perpetuar o morgadio e a linhagem, dois varões e uma menina. Prova provada da alta eficácia da benta mulher, que soubera congeminar receita tão atilada como as deusas da fertilidade de antanho. A condizer com o seu elevado estatuto e vasta clientela.

 

    O romance tem outras alusões ao povoado padornelense e até à sua feira dos Tojais. A páginas tantas tropeçamos numa curiosa reflexão acerca do milho, «a segunda Divina Providência do minhoto», dito na boca duma das personagens:

           

«Não me meçam as rendas antes de Maio. Até Maio, o milho está prenho. Deita leite. Para estar bom é preciso que absorva a humidade como o papel mata-borrão absorve a tinta. O abade de Padornelo é que a sabia toda. Pegava nos butes molhados, metia-os entre as espigas. Se de manhã os encontrava enxutos, estava em condições de se malhar».

 

    Quem seria o tão erudito reverendo, doutíssimo na tripla questão do milho, tamancos e humidade? Pela cronologia evolutiva aparente da obra, estou em crer tratar-se do abade Casimiro Rodrigues de Sá, celebrado pároco colado da matriz de Santa Marinha de Padornelo entre 1902 e 1922.

 

    Mestre Aquilino, artesão das letras, estatura de excepcional relevo intelectual e literário, manteve pela vida fora o gosto pela proximidade emocional ao mundo rural, que adora com veneração, alicerçado numa linguagem pura e vernácula, de características muito próprias.

                         

    Por isso, Paredes de Coura foi uma incidência marcante na sua temática riquíssima, paixão pelo pitoresco, amor à liberdade e empenho humanista. E as frequentíssimas menções a Padornelo um motivo de agrado acrescido.

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 18:30
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De Eduardo Daniel Cerqueira a 7 de Janeiro de 2008 às 21:23
Mais um contributo seu para a história de Coura, para quando a edição de um livro?
Abraço

Comentar Artigo