Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PADORNELO

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

PADORNELO

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt
22
Jul08

UMA LENDA MINHOTA: A ORIGEM DA MULHER

Por: Jofre de Lima Monteiro Alves

 

    Deus fizera o Mundo, uma lufa-lufa de seis dias, ao sétimo botou um olho à sua obra, o resultado era satisfatório.

 

    Mas lá na sede do Céu, reparando bem e de perto, com olho de ver, apercebeu-se que o homem sozinho, a carregar tristeza, bocejava uns dias e noutros levava a morte na alma, triste anacoreta no Paraíso, vadiando desde manhã até sol-pôr.

                      

    Tamanho isolamento, a agravar a solidão da condição humana, não era coisa boa, pensava enfaticamente, urgia medidas, mais um pequeno retoque na sua obra-prima.

                                 

    Certo dia, como sabemos desde os tempos bíblicos, induziu um profundo sono em Adão e retirou-lhe uma costela, perfeita arte cirúrgica.

          

    Até aqui a narrativa é sobejamente conhecida, mas nem todos têm a fortuna de ter acesso à verdadeira história da concepção da mulher, um segredo de antanho felizmente na posse das gerações minhotas e que me foi confiado há meio século pelas minhas mãezinhas Especiosa e Esmeralda – na minha infância as avós recebiam o tratamento carinhoso de “mãezinha”, uma ternura.

           

    Estávamos no ponto em que fora extraída a costela. Nesse exacto instante quando se aprestava para dar forma à mulher, uma raposa lampeira, lesta e manhosa, autêntica desmancha-prazeres, dum salto rouba-lha e deitou a fugir às de vila-diogo.

         

    S. Miguel Arcanjo que a tudo assistia extasiado, enlevado num ai-jesus, ainda teve uma parcela de reacção, deitou a mão ao rabo da zorra trinca-pintos, porém este rebentou na bulha que se seguiu, conseguindo reaver somente um pequeníssimo fragmento da costela.

               

    O resto, um naco enorme, serviu de fino banquete nas entranhas da raposa, tasquinhava à boca cheia, um festim!

           

    Reinduzir o sono e tirar outra costela ao pobre do Adão era inaceitável, parecia amaldiçoada ao insucesso a ideia de dotá-lo de companhia neste vale de lágrimas, seria coisa de fim do mundo. Mas quem tem a omnipotência, além da suprema arte e engenho criativo, rapidamente encontra uma solução. Faça-se a vossa vontade!

         

    Misturou o quinhão da costela e a cauda, muito bem amassado, moldou até estar plenamente satisfeito e insuflou-lhe o sopro da vida, e pronto, nascia assim a mulher, osmose da costela do homem e do rabo da raposa, um regalo, sublime milagre!

           

    Esta alegoria bíblica da criação da mulher visa a finalidade única de incutir no homem o respeito merecido pela companheira tirada da sua própria carne, na contemplação do Senhor.

 

    Porém, a lenda minhota acrescenta um dado importantíssimo, repetido na milenar sabedoria popular, velho como as barbas de Noé: «a raposa tem a manha de sete homens, mas a mulher tem a manha de sete raposas».

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt