Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

PADORNELO

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

PADORNELO

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt
07
Jan09

UMAS JANEIRAS CANTADAS NA DÉCADA DE 1950

   O costume dos cantares de Janeiras perde-se na História, com uma origem marcadamente pagã radicada na antiga festa realizada em honra de Jano, o deus das portas celestes.

                                

    Uma divindade antiquíssima representado com uma cabeça de duas faces, uma vara numa mão e na outra uma chave, tudo se abria e fechava à sua passagem, de quem se esperava especial protecção nas partidas e no regresso.

                                         

    Uma divindade de dois rostos para exercer o poder no céu e na terra. Era dos primeiros a ser evocado no cerimonial religioso na medida em que presidia às portas, entradas e caminhos, mas também por ser através dele que as preces humanas chegavam ao concílio dos deuses na mitologia romana.

                                   

    Visto Jano presidir ao começo de tudo, como deus dos princípios, o primeiro mês do ano foi-lhe consagrado, januarius, daí Janeiro.

                                 

    Assim, no primeiro dia de Janeiro, na antiguidade romana comemorava-se a “Strenua Calendaria”, ocasião em que o povo romano festejava com particular fervor, saudando-se efusivamente uns aos outros, ao mesmo tempo que saltitava de casa em casa, cantando loas ao som de buzinas, trocando e ofertando dádivas.

             

    Como a Igreja não conseguiu erradicar este bárbaro costume idólatra, o Concílio de Trours, realizado no século VI, determinou que nesse dia fosse celebrado a circuncisão de Jesus Cristo, mas o que perdurou até hoje foi, essencialmente, a base festiva pagã que o cristianismo não conseguiu erradicar.

                    

    Em tempos idos, por toda região do Alto Minho, ao cair da noite do primeiro dia de Janeiro, um grupo de rapazes foliões, percorria as casas e os caminhos, cantado lérias de porta em porta a par de algumas cantigas ao Menino Deus, mas também e primordialmente para pedirem as boas-festas, um hábito deveras enraizado.

      

    Vários instrumentos rústicos faziam o incipiente acompanhamento musical, como os ferrinhos, a rela, o pandeiro, a sarronca e a sanfona, que arrancavam uns uivos sonoros.

            

   Durante o mês de Dezembro o grupo de rapazio procedia a alguns ensaios, pois a noite em causa seria fria e era preciso não perder tempo, para que tudo ficasse afinado e expedito, na medida do possível.

         

    Ensaiavam as quadras, geralmente para cantar os méritos dos donos da casa, fazendo distinção individual a cada membro, o dono, a dona, os filhos e as filhas. Ora cantavam em coro ou cantorias a solo.

              

    Escolhiam para alvo dilecto as casas de lavradores mais abastados, com o fito de cativarem os moradores e conseguirem algum donativo, quase sempre comida para lambarar, por vezes em dinheiro e até, milagrosamente, algumas porções de fumeiro, um maná, que era repartido pela trupe em partes iguais.

 

    As Janeiras perduravam toda a semana até por vezes confundiam-se com o “Cantar de Reis”, para celebrar os Reis Magos.

            

    Hoje recordo aqui umas Janeiras cantadas em Padornelo na década de 1950 aos meus avós António Inocêncio Alves e Especiosa de Jesus Alves Monteiro, do lugar das Angústias.

 

Janeiras cantadas ao dono da casa

 

Boa noite, patrão da casa,

Faz favor de desculpar;

Se o senhor nos der licença,

As Janeiras vamos cantar.

 

Viva lá senhor António

Usa o seu chapéu direito;

Quando vai pela rua fora

Todos lhe guardam respeito.

 

E viva o senhor da casa,

Vá abrir a garrafeira;

E diga à sua esposa

Que incerte a salgadeira.

 

Viva o senhor destas leiras

No seu banquinho de prata;

Venha dar-nos as Janeiras

Que está um frio que mata.

 

Para a dona da casa

 

Viva a senhora de tal

Ó linda rosa encarnada;

Levante-se e venha ao portal

Dai janeira avantajada.

 

Viva lá senhora Especiosa

Muito lhe diz o seu véu;

Quando vai igreja acima

Parece um anjo do céu.

 

Viva a senhora de brilhos

Capa branca de setim;

Ao lado dos seus filhos,

É um ramo de jardim.

 

Viva a senhora de verdade

Santinha de Belém;

Deus lhe dê felicidade

E aos seus filhos também.

 

Geral, de agradecimento e pedido

 

Viva o chefe de família

E sua esposa também;

E ao lado vossos filhos

Que Jesus os fade bem.

 

Ainda agora chegamos

Já pus o pé na escada;

Logo o coração disse

Aqui mora gente honrada.

 

Levante-se minha senhora

Desse banco de cortiça;

Venha-nos dar as Janeiras

Ou morcela ou chouriça.

 

Nós estamos fora da porta

Como o molhinho de lenha;

À espera da resposta

Que de sua boca venha.

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt