Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

A ARTE DA CANGA ARTESANAL

 Fotografia de Eduardo Daniel Cerqueira

    Lá nos idos da década de 1960, lembro-me do meu avô, António Inocêncio Alves, dotado de génio de mestre marceneiro afamado de lés-a-lés em inauditas proezas de lavrar a madeira, donde saiam obras que alumiavam todos de espanto, a transpor o limiar da Arte, um canto de sereia divino, com a autoridade dum pontífice.
 
    Mal despontava a manhã, após o mata-bicho com um gole de café e um cibo de broa, vejo-o a escolher uma boa madeira, geralmente de freixo, choupo ou nogueira, de esmero com aquele tição no olhar, repleto duma sabedoria milenar.
 
    Depois de cortado e escanhoado os toros, pegava da banca a rústica ferramenta, um inventário de palhetes, formões, goivas, maços de madeira, para à mão – abençoadas mãos – fazer o talhe da madeira, tacteando com carinho, seguindo um desenho que ele, magicando consigo, concebera originalmente, imaginação ardente.
 
    Nascia assim a canga, utilizada nos carros de bois, que ele esculpia de forma distinta dos outros que tudo faziam a três pancadas. A canga, era nas suas mãos mais vistosa, dado o seu trabalho artístico e o seu tamanho em altura.
 
    Por esse motivo, alegando que por serem altas e, como tal, batiam nas escorregadias ramadas mais baixas, muitos lavradores preferiam cangar os bois com os cangalhos, menos altos, com decoração paupérrima.
 
    Depois havia aquela terminologia própria e as variadas partes componentes. Os “camalhões” eram as extremidades inferiores mais prolongadas, a “deitada”, a parte encurvada, ao meio, na porção inferior, ladeada pelos camalhões.
 
    Na porção externa dos camalhões eram colocadas, de cada lado, as “piarças”, uma peça em forma de pequena cunha de madeira, de maneira a não permitir a desarticulação dos arcos da canga, geralmente causado pelo movimento bamboleante dos animais.
 
    O corpo central da canga era esburacado por diversas tipos de “furas”. A “fura do tamoeiro” ficava ao centro da canga e foi perdendo funcionalidade, sendo reduzido sistematicamente o perímetro do seu buraco. A “fura ensogadoura” servia para passar as ensogas.
 
    Para fazer a ligação da canga aos animais e ao carro de bois existiam diferentes elementos complementares. Assim, os “arcos”, feitos por madeira encurvada, envolviam o pescoço dos animais, sendo ligados à canga pelas ensogas.
 
    As “ensogas”, duas encorpadas tiras de couro cingidas por um entrelaçado de faixas de couro, prendem as extremidades do arco à canga através das furas ensogadouras.
 
    As “pertizelas”, umas varas de ferro com extremidade aguçada, fixavam o arco e a ensoga, entrando no arco através de dois orifícios, enquanto que a outra extremidade permitia a fixação das pertizelas às cangas, através de uma corrente ou tira de couro.
 
    O “tamoeiro”, formado por duas consistentes tiras de couro, laçadas através das “furas do tamoeiro”, faz a junção da canga ao carro de bois, e sustenta o cabeçalho do carro.
 
    A “chavelha de pôr”, um bordão cilíndrico, atravessa o cabeçalho e, servindo de travão ao tamoeiro, facilita a tarefa de puxar o carro de bois. Por sua vez a “chavelha de descanso”, vara de maior dimensão, facilita o fadário dos animais durante as paragens, bênção de descanso para os coitadinhos.
 
    Depois de cear uma côdea e malga de caldo, pespegava no topo superior da canga, a enfeitar, uns tufos de crina animal, que dão um donairoso aspecto às “cangas de cabeleira”, como então ficam conhecidas.
 
    Mas a arte viva e brilhante do artista está, simplesmente, nos ornamentos, na maior parte dos casos, uns meros “vazados”, inúmeros buracos que se fazem sem aplicação de facto, a esmerar. Até os passarinhos, que a tudo assistiam, cantavam com mais blandicioso chilreio.
 
    Enquanto rezavam a eternidade de padre-nossos e ave-marias, adicionava pitada de ornatos vegetalistas, a simular umas silvas, e uma “cruz do meio”, esta com a finalidade de repelir o mau-olhado, abrenúncio. Quedava obra capaz de jungir qualquer senhor de Braga…, coruscando ao sol-pôr, entre chorrilhos de encómios. Salve! Salve!
 
    O substantivo canga virá do céltico «cambica», «madeira curva», e daí para o latim «canica», onde entrou por glórias antigas nas línguas latino-românicas. Outros linguistas dizem, do alto da sua sapiência, que do adjectivo latino «canicus» (< «canis», «cão») e da sua forma feminina «canica», para descrever a peculiar cópula do casal canino, «colligatio canis cum femina», por causa da minudência desses animais ficarem agarrados, se formou, por analogia, o substantivo.
 
    Seja como for, a palavra portuguesa está documentada em 1308: «… e que lhes descangava as casas das cangas, que sobre ellas jaziam, e que nom podia homẽ guarecer no herdamento».
 
    Um dia diremos dos cangalhos, que se distinguem pela forma mais simplista. Por ora chega de canga, embora seja mais leve do que àquela que, à viva força e desde o tempo da Galileia, querem albardar no nosso manso cachaço, para regular esta servil e dócil autocracia, donde devemos chispar como o dianho foge da cruz.

Esquema das furas, ensogadouras, camalhões, deitada e piarças duma canga de bois

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 21:40
Regressar ao Topo | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.