Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Domingo, 30 de Julho de 2006

A Minha Santa Mãe

    Na madrugada de 25 de Julho de 2006 exalou o seu último suspiro uma santa mulher, mãe e esposa, modelo exemplar de todas as virtudes terrenas impolutas. Embora recaia sobre mim a suspeita de parcialidade nestas afirmações, evoco em meu socorro o testemunho de todos aqueles que a conheceram e acompanharam ao longo da sua dolorosa existência.

 

    Ninguém, nunca em tempo e situação alguma lhe conheceu uma palavra maldosa, um sentimento mesquinho, um desejo nefasto, uma intriga contra terceiros, ou a mais pequena e malévola intenção de ferir ou menosprezar alguém. Nunca, em qualquer circunstância, disse mal de quem quer que seja, jamais manifestou sentimentos de pequenez mental que nos caracterizam, sendo sempre duma elementar simplicidade, a simplicidade dos justos e dos bons.

 

    O seu coração, sempre doente, era grande na bondade, duma incomensurável e sentida brandura, sem fazer alarde dessa distinção que a Providência lhe prodigalizara. O fumo das vaidades humanas e os defeitos da natureza terrena nunca lhe limitaram a limpidez do seu excelso carácter e, nela, tudo era a mais fina sensibilidade, sempre tão delicada na sobreexcelência das virtudes.

 

    Nada, nem os paliativos da medicina, te atenuaram os sofrimentos, que foram tantos, que foram imensos. A tua cruz, o teu calvário sobre-humano, não conheceu limites, nem pausas ou descanso. Foram 21 anos, desde aquele distante e nefasto ano de 1985, de operações constantes, de sucessivas doenças, e cada maleita era sempre pior que a anterior, a destruir-te mais ainda, esse já dilacerado corpo. Atroz sofrimento.

 

    Ficaste sem andar, sem te puderes mexer, tudo te sucedeu nesse pequeno e martirizado corpo. O teu penar, o teu supremo calvário, não conheceu limites, nem abrandou um pouco para te dar o merecido descanso, num constante e permanente ascendente de desgraças, sempre num crescendo horrendo de internamentos, cirurgias incontáveis, com diagnósticos sofisticados, que aniquilaram a tua condição física, mas nunca a tua férrea vontade.

 

    Sofreu duramente todas as penas possíveis e imaginárias, mas nunca cedeu ou desesperou. O seu limite, nunca excedido, foi e é ainda hoje para mim, uma absoluta surpresa. A tua fisionomia bondosíssima e tranquila, nunca mostrou um traço de perturbação, amargura ou desespero, a tua superior candura jamais conheceu momentos de desânimo.

 

    Como foi possível tanto sofrimento, sem qualquer palavra de desalento, um aceno de impaciência, uma contracção de enfado, sem uma lágrima no plácido rosto? Sofreste estoicamente, sem qualquer gesto de revolta ou desespero, com uma resignação absoluta, como se cumprisses algum obscuro e impenetrável objectivo oculto da Providência.

 

    Consumaste com a máxima dignidade a tua função de viver a vida que te foi dada, e enquanto força e saúde teve, a sua sublime missão de mulher, de mãe e de esposa. Por isso na hora fatal do teu desenlace não tive as interrogações e dúvidas que nos assaltam e dilaceram os pobres humanos. Porquê, tu? Nem mesmo, porquê, com tanta dor?

 

    Seja como for, mesmo com tamanha resignação foi crudelíssimo o teu sofrer, a tua desventura. Tudo, mas mesmo tudo, tu suportaste, sem gritos pungentes duma alma dorida, para além do limite da paciência e resistência humana, como quem nada receia.

 

    Se existe Céu, para além de qualquer dúvida semântica, adquiriste nele e por direito próprio o teu lugar, e aí, onde sei que estarás no remanso duma merecida paz celestial, peço-te que veles por nós, meu anjo da guarda, assim como tenho a certeza de que nunca de esqueceremos.

 

    Para que conste, Silvina de Jesus Barbosa de Lima, nasceste na freguesia de Padornelo a 22 de Setembro de 1928, e quando passaste os umbrais da eternidade, ficaram na maior dor o teu marido Ilídio Monteiro Alves, e os filhos António Inocêncio de Lima Alves, Norberto de Lima Alves, Jofre de Lima Monteiro Alves e Jorge de Lima Alves, e demais família.

 

   Na impossibilidade de agradecer a quantos manifestaram as sentidas condolências, aqui fica o meu bem-haja.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 15:19
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De soaresesilva a 31 de Julho de 2006 às 12:56
Só hoje li a tua notícia sobre a morte da tua Mãe. Deus decerto a escolheu para a aliar no seu sofrimento pela salvação do mundo. Finalmente descansa em paz. Os meus mais profundos pêsames por essa perda. Que ela, no Céu, os proteja a todos.
De Chicailheu a 31 de Julho de 2006 às 23:19
As minhas condolências...nem suspeitava que ao entar neste seu outro blog, tal nefasta notícia seria o primeiro blog!
Como descreve tão bem a senhora sua mãe!
Eu perdi a minha com a idade de 2 anos e 5 meses.
Assim é a vida...não pudemos mudar o rumo das factos.
Amisticiosas saudações.
Chicailheu

Comentar Artigo