Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

A ORIGEM DOS NOMES DA NOSSA TERRA - II

 

ALMADARIA – Topónimo sumido há muitos séculos, certamente, sem qualquer persistência na memória oral. Está citado nas Inquirições realizadas por ordem régia em 1258, quando se descreve a alçada realizada em Padornelo: «do Casal da almadaria, IIIJ soldos et meala»[1]. Portanto, o Rei Dom Afonso III auferia quatro soldos e meio de prata sobre o rendimento produzido no Casal da Almadaria.

                               

Topónimo extremamente raro, de tal maneira que não se encontra rasto em qualquer enciclopédia ou tratado, e, pela presença do artigo al-, deve ter origem arábica.

                                    

Não faça dúvida a sobrevivência de topónimos minhotos com raiz sarracena, em meu socorro trago tão-somente alguns exemplos. Abadim, lugar das freguesias de Caminha e Cabeceira de Bastos, é um nome verbal do árabe abada, que significa «adorar, dar culto», latinizado como abbatinu-.

                                  

Outros haveria a listar como Alfela (Braga) Bade (Valença) e Badim (Monção)[2], para além duma plêiade de lugarejos em Ponte de Lima (Albotim, Alcouce, Almécega, Almeidas, Almoface, Almuinha, Alqueire, Alqueivada, Andame, Arrabalde, Arrifana, Atalaia, etc.)[3].

                                                  

O topónimo deve indicar, não uma antiquíssima mina, já atulhada e perdida, mas recursos associados a minério ou trabalhos de ferro, devido à presença da raiz al-ma’aden, que no arcaico árabe hispânico alma’dán significava «a mina, o mineral, o metal»[4], presente igualmente nos geónimos Almada, Almadanim (Portimão), Almadeina (Vila do Bispo) e Almadén[5] (Ciudad Real, Espanha).

                                                               

Recordemos que o substantivo e topónimo Ferreira vem do latim ferraria e significa, precisamente, «mina de ferro». Daí formou-se em português escorreito, também, Ferraria por junção do sufixo –aria, elemento de ligação que exprime a noção de lugar, ofício e objecto, para expressar a ideia de «oficina, fábrica de peças de ferro ou de outros metais; local onde se fabricam ferragens»[6].

                     

De qualquer forma já não há em Padornelo a mais pequena reminiscência deste arqueotopónimo, desaparecido na voragem do tempo.

Padornelo, medas                             

 


[1] Portugaliae Monumenta Historica a Saeculo VIII, 2 volumes, Academia das Ciências de Lisboa.

[2] Frei João de Sousa, Vestígios da Língua Arábica em Portugal, Lisboa, 1789, pp. 31, 72 e 73.

[3] Armando de Almeida Fernandes, Toponímia de Ponte de Lima – Estudo Toponímico, II vol., Ponte de Lima, 2001.

[4] José Pedro Machado, Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, I vol., Lisboa, 1984, pp. 101-102.

[5] Para além de topónimo, o vocábulo castelhano “almadén” é igualmente um substantivo com origem árabe e significado de «mina o minero de algún metal», conforme nos garante o Diccionario de La Lengua Espanola, 22.ª edição da Real Academia Espanola, Madrid, 2001.

[6] Academia das Ciências de Lisboa, Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, I vol., Editorial Verbo, Lisboa, 2001, p. 1728.

 

 

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 08:31
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos