Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PADORNELO

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

PADORNELO

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt
16
Ago10

A ORIGEM DOS NOMES DA NOSSA TERRA - V

 

 

 

    ANGÚSTIAS – Hagiotopónimo e devocional. Embora pertença nitidamente ao grupo dos topónimos que têm origem nos nomes dos santos, deve-se neste particular à mais profunda devoção do filantropo José Narciso Monteiro, o qual em 1912 mandou erigir a Capela de Nossa Senhora das Angústias, de quem era particular devoto. Devido ao seu perfil humanista e de grande benemerência bem cedo a festividade e a importância da Sr.ª das Angústias conheceu expressiva expansão.

 

    Interessante fenómeno devocionário que levou no estrito campo toponímico, ao crescimento do mesmo como referência basilar, a ponto de alguns decénios depois, muitos dos lugares perderam a sua primeva denominação de modo progressivo mas contudo espontâneo, para adoptarem a ascendente denominação de Angústias. Devido a esse fenómeno toponímico, os lugares das Portelas e do Curro perderam em definitivo a sua identidade própria e pertencem hoje, também, ao lugar das Angústias.

 

    Antes da actual capela, e sem qualquer conexão com a presente, existiu em local diverso da mesma freguesia outra ermida a qual era anexa à “Casa de Senrelas”, da família Pereira Varajão, devastada que foi por um incêndio na primeira metade do século XIX.

 

 

 

 

    José Narciso Monteiro era, como já se disse e facilmente se depreende, um grande devoto à Nossa Senhora das Angústias, pois comprara a sacrossanta imagem, ali ao redor do ano de 1881, que miraculosamente se salvara do pavoroso incêndio que devastou a capela dessa evocação, anexa à casa solarenga da nobre família Varajão.

 

    Quando regressou ao Brasil levou consigo a imagem da santa, sua devota companhia naquela imensa labuta pela vida e por terras de Vera Cruz fez a promessa solene de mandar erigir uma ermida ou capelinha devocionária na sua santa terrinha, o seu coração bondoso e compassivo assim o exigia.

 

    Retornou definitivamente ao torrão natal em 1903 e, alguns anos volvidos, tratou de dar corpo à promessa que fizera. Em 1906 comprou um amplo terreno para esse fim e a 31 de Janeiro de 1907 entregou nos serviços competentes da Câmara Municipal de Paredes de Coura o pedido regulamentar para edificar a Capela de Nossa Senhora das Angústias.

 

 

 

 

    Por motivos de força maior retira a petição de edificação da capela evocativa, solicitando a 23 de Janeiro de 1908 «para ficar nulo e sem efeito o pedido» que anteriormente fizera. Mas não esmorece, nem tão-pouco desiste, pois era homem sóbrio de génio e altruísta, retoma o projecto, agora mais consubstanciado e renova o pedido de autorização para edificar a Capela de Nossa Senhora das Angústias «num terreno improdutivo, que fica à margem esquerda da estrada que segue para Insalde, entre a estrada e a levada da Chã da Várzea, em Padornelo», por petição datada de 20 de Abril de 1911.

 

    A 11 de Maio de 1911 reuniu-se a vereação da Câmara Municipal de Paredes de Coura, sob a presidência do presidente interino José do Espírito Santo da Cunha e com as presenças dos vereadores João Bento de Araújo Guimarães, Manuel António Barreiros de Sá, Alberto Rodrigues de Sá e Augusto Rodrigues Nogueira, para aprovar por unanimidade e autorizar a construção da capela na carvalheira das Angústias.

 

    Oficialmente inaugurada a 7 de Julho de 1912, dia memorável, seria especialmente benzida por D. Manuel Vieira de Matos, arcebispo primaz de Braga, bondoso, sorri e corteja a multidão, ao abençoar a capela na companhia do padre dr. Manuel Joaquim da Cunha Ribas, reverendo prof. dr. Manuel de Azevedo de Araújo e Gama, cónego dr. Bernardo José Álvares Chouzal e abade Casimiro Rodrigues de Sá, durante uma visita efectuada a 3 de Julho de 1916, num ambiente comovente da mais aberta lhaneza e despretensiosa cordialidade, em companhia do fundador José Narciso Monteiro, herdeiro de nobilíssimos títulos do coração, pois soube aproveitar os bens avultados de fortuna que possuía em actos de filantropia e amor ao próximo.

 

    O topónimo é mais vulgar no plural, ao invés do singular angústia. Do latim angustĭa, «aflição, embaraço».

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Capela das Angústias

Capela do Amparo

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt