Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

POESIA LAUDATÓRIA EM HONRA AO DEUS MENINO

    Nas eras de antanho as mães e as avós embalavam os seus enternecidos rebentos ao som de cantilenas, cujo rasto se perde no tempo, passadas de geração em geração, muitas delas até aos dias de hoje, embora disso já não dependa o salvatério da família.

 

    O tema é vasto, mas dado a quadra presente, de cariz singular, arrecado aqui meia dúzia de cantilenas laudatórias em honra ao Deus Menino a par de algumas cantigas de embalar, as quais bastas vezes se confundem, pelo menos na boca materna, para capacitar o crianço da inutilidade da resistência em dormir.

 

    A primeira, intitulada Beijai o Menino, era entoada numa vastíssima região do Norte do País, com particular incidência no Minho e em Trás-os-Montes, e da qual se conhecem algumas variantes, conforme roça a asa glacial do frio.

 

Beijai o Menino

 

Beijai o Menino,

Beijai-o agora;

Beijai o Menino

De Nossa Senhora.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Mas ai que portento,

Mas ai que alegria!

Nasceu o menino

Da Virgem Maria.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Filhos de homens ricos

Em berço doirado,

Só vós, meu Menino,

Em palhinhas deitado.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Em palhinhas deitado,

Em palhas aquecido,

Filho duma rosa

Dum cravo nascido.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Estava Maria

À beira do rio,

Lavando os paninhos

Do seu bento filho.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Maria lavava

José estendia,

Chorava o Menino

Com frio que tinha.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Calai meu Menino,

Calai meu amor!

As vossas verdades

Me matam com dor.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

Beijai o Menino

Beijai-o no pé,

Beijai o Menino

Que é de S. José.

 

Ó vinde pastores

Vinde a Belém,

A ver o Menino

Que a Senhora tem.

 

    Da terceira quadra existe esta versão:

Os filhos dos reis

Em berço doirado,

Só vós, meu Menino

Em palhas deitado!

 

    Da quinta quadra conheço esta variante:

Estava Maria

À borda do rio,

Lavando os paninhos

Do seu bento filhinho.

 

    A sétima quadra apresenta esta cambiante, conforme a latitude geográfica:

Calai-vos Menino,

Calai-vos Senhor!

Que vossas bagadas

Me cortam com dor.

 

    A seguinte canção de berço, de gosto poético popular e tonalidade mais prosaica, ouvia-se também em todo o Norte, e fazia concorrência de topo à chucha de estopa reforçada de uma colher de açúcar, a reparar o sono.

 

Ó meu Menino Jesus

 

Ó meu Menino Jesus,

Que é da vossa cabeleira?

– Ficou-me lá no convento

Ao colo de uma freira.

 

Ó meu Menino Jesus,

Que é da vossa camisinha?

– Ficou-me lá no monte

Debaixo duma lapinha.

 

Ó meu Menino Jesus,

Que é do vosso calçãozinho?

– Está em casa do alfaiate

Pra pregar o botãozinho.

 

    À falta de melhor, segue uma série de versos soltos com a mesma temática, em toadilha de encantar o Inverno, no pressuroso gesto de embalar, enquanto o cachopo a choutar na chupeta, a boca aberta na escâncara do riso.

 

Maria embala o Menino,

Com a mão e não com o pé;

Este Menino qu’embalas

É Jesus de Nazaré.

 

São José é carpinteiro,

Fez um bercinho doirado,

Para deitar o Menino

Debaixo do cortinado.

 

Ó meu amado Menino

Boquinha de marmelada,

Dai-me um bocadinho dela

Que minha mãe não tem nada.

 

Ó meu Menino Jesus

Meu lindo amor-perfeito,

Se tende frio, vinde cá

Chorai aqui no meu peito.

 

Ó meu amado Menino

Descalcinho pelo chão,

Metei os vossos pezinhos

Dentro do meu coração.

 

Eu hei-de dar ao Menino

Para a noite de Natal,

Camisinha de cambraia,

Botõezinhos de cristal.

 

Eu hei-de dar ao Menino

Uma fita p’ró chapéu,

Também ele me há-de dar

Um cantinho lá no Céu.

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 09:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos