Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Segunda-feira, 21 de Março de 2011

COMENDADOR FRANCISCO ANTÓNIO MONTEIRO: Grande Benemérito

    A vida decorria pachorrenta e serena nesta porção do paraíso terreno no qual reinava a soberana Dona Maria II, quando em Março de 1837 nasceu uma criança que recebeu as águas lustrais do baptismo na pia da Igreja Matriz de Santa Marinha de Padornelo e o nome de Francisco António Monteiro, por ser filho de Manuel José Monteiro, naturalde S. Julião do Calendário da Silva, freguesia do termo de Barcelos, e de D. Sebastiana Maria Mendes de Araújo, natural de Padornelo; era neto pela via paterna de José António Monteiro e de D. Joaquina Luísa da Silva Martins Monteiro, da freguesia de S. Julião do Calendário da Silva; neto materno de José António de Araújo e de D. Francisca Maria Rodrigues Mendes, proprietários, naturais e moradores em Padornelo.

 

    Nascido no seio duma família de posses razoáveis, para os padrões da época, a sua condição de filho segundo ditou-lhe o destino, porquanto o irmão primogénito estava destinado a herdar a quinta e Casa das Portelas, situada onde hoje é o lugar das Angústias. Como se costumava dizer então, de seus pais herdou a virtude do trabalho e a nobreza do carácter.

 

    A 8 de Julho de 1851 requereu passaporte ao Governo Civil do Distrito de Viana do Castelo e nesse mesmo ano, ala que se faz tarde, embarcou naquela leva do fenómeno emigratório que converge para o Império do Brasil, um lastro humano sem fim na centúria oitocentista. A passagem, com embarque na barra do Douro a bordo de um veleiro, custou a módica quantia de 35$000 réis, para uma viagem de 40 dias.

 

    Seria ele a enviar cartas de chamada para o seu irmão José Narciso Monteiro embarcar com destino ao Brasil em 1854, e mais tarde, no início da década de 1890, os sobrinhos José Francisco Monteiro, Manuel José Monteiro e Vital Narciso Monteiro e o parente António José Lopes Alves Guimarães, uns agora, logo outros, modesto reagrupamento familiar.

 

    No Brasil, ora come o pão que o diabo amassou, ou abana a árvore das patacas, numa altura em que não jorrava ouro para todos. Desaguou na actividade comercial, onde ocupa um lugar cada vez mais importante na área do comércio, fruto do seu intenso labor, pois era laborioso por natureza e fortaleza de ânimo, no fogo sagrado do dever e no amor acrisolado ao trabalho. Assim, abriu caminho de flores por entre espinhos.

 

    Negociante estabelecido, acumula riqueza, capitais e proventos, tornando-se abastado proprietário e accionista de várias empresas, ascende ao patamar de cidadão conceituado na pátria adoptiva. Administrador recto e honrado cidadão, alteia-se por elevados méritos ao cargo de director do Banco Colonizador e Agrícola do Brasil, em cujos cadeirões se sentava também o egrégio comendador António José Gomes Brandão, natural da freguesia courense de Rubiães, seu amigo íntimo.

 

    Pelos relevantes serviços de benemerência, sacrificando por vezes os interesses particulares, foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, por mercê d’El-Rei Dom Luís, datada de 8 de Janeiro de 1874. No ano seguinte foi condecorado com a Medalha de Honra da Caixa de Socorros Dom Pedro V.

 

    Uma característica desta boa gente é a tendência para a filantropia, apóstolo incansável da Humanidade. Foi abnegado protector das instituições pias e filantrópicas, em lances de altruísmo e encarecido empenho, com ares de doce criatura. Verteu luz da mais admirável caridade para minorar o mísero sofrimento das pessoas e a carência atroz das tolhidas instituições, estado pouco lisonjeiro em que muitas se encontravam então.

 

    Em 1895, corresponde ao apelo do padre dr. Júlio César Gomes Barbosa e contribui largamente para a edificação do Asilo de Nossa Senhora da Conceição para a Infância Desvalida de Paredes de Coura, inaugurado a 1 de Janeiro de 1896.

 

    Vai fazendo doações vultuosas a diversos organismos de ambos lados do Atlântico. Em Setembro de 1898, acode às obras de recuperação da Igreja Matriz de São Paio de Mozelos com um importante donativo de 50$000 réis. Socorre com a sua bolsa à Real Confraria do Senhor Ecce Homo, de Padornelo, por ditame do seu bom coração humano.

 

    Mas a Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura seria, indiscutivelmente, a menina bonita dos seus olhos, de quem foi sempre incansável procurador piedoso em terras de Vera Cruz, desvelado protector durante mais de uma década. Seria nomeado procurador e delegado per­manente da Santa Casa no Brasil por decisão do provedor conselheiro Miguel Dantas Gonçalves Pereira, de 4 de Julho de 1898.

 

    Com gerais aplausos, fervoroso reconhecimento e preito de justiça, a Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura proclama-o «ir­mão benemérito», conforme ficou exarado em acta de 9 de Julho de 1906, à luz da razão límpida:

«Tendo pleno conhecimento dos importantes serviços prestados à mesma pelo nosso conterrâneo o Ex.mo Sr. Comendador Francisco António Monteiro, morador na Rua da Candelária, n.º 11, da cidade do Rio de Janeiro, e ainda pelo mais que espera receber dele, pois a sua caridade se afirma todos os dias, propunha que o mesmo fosse inscripto como respectivo IRMÃO BENEMÉRITO, passando-lhe o respectivo diploma para lhe ser enviado e que na Sala dos Retratos dos Irmãos Beneméritos se colocasse o seu, enviando-se-lhe cópia desta acta. E sendo esta proposta aprovada por unanimidade, foi encerrada a sessão».

 

    Assinaram a acta o provedor Adriano Bento Lopes e os irmãos Joaquim José Ribeiro, Bartolomeu Kopke Severim de Sousa Lobo, Francisco José Marinho, prof. António José Lages, Júlio dos Reis de Lemos, Joaquim António Lima, Quintino Tomás Mendes, José Avelino Pedreira Bacelar, Manuel Cândido Gonçalves Pereira, padre dr. Narciso Alves da Cunha, abade Casimiro Rodrigues de Sá, Justino José Rodrigues Loureiro, José Luís Mendes, Tomás Joaquim Alves, prof. Hilário José Rodrigues Barbosa, Justino José da Cunha Ribas, João António Pereira Loureiro, abade José Bento Ribeiro, Narciso José Neves e José do Espírito Santo da Cunha, os mais ilustres concidadãos da altura.

 

    Os últimos anos da sua vida foram atingidos pelo supremo vinco de dor. Num momento tresloucado suicidou-se o filho único, um suplício oculto, levando a alma de pai ao desespero, rompia a labareda das lágrimas nos olhos do velho, a saudinha a mirrar. Deixa a vasta fortuna a várias instituições pias e a uns afilhados mulatos brasileiros, passa mansamente os umbrais da eternidade e solta a amarra do último fio que o prendia à vida terrena, o fantasma do filho a gemer à cabeceira.

 

    A Mesa Administrativa da Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura, reunida em sessão da direcção a 15 de Junho de 1910, aprova e exara um profundo voto de pesar pelo seu falecimento ocorrido na cidade de Niterói, Estado do Rio de Janeiro, na República Federativa do Brasil.

 

    O seu currículo social é imenso, basta atentar nesta impressionante listagem, longa como o dilúvio universal: sócio benemérito da Sociedade União Beneficente Comercial e Artes do Rio de Janeiro, sócio de mérito do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, benemérito do Hospital da Beneficência Portuguesa do Rio de Janeiro, irmão benemérito da Irmandade do Santíssimo Sacramento da Candelaria do Rio de Janeiro, benemérito da Real Benemérita Sociedade Portuguesa Caixa de Socorros Dom Pedro V, Comendador da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, condecorado com a Medalha de Honra da Caixa de Socorros Dom Pedro V, irmão benemérito da Santa Casa da Misericórdia de Paredes de Coura e benemérito do Quadro de Honra da Real Confraria do Senhor Ecce Homo de Pador­nelo. Ficamos inteirados.

 

    Onde deviam soar hinos de louvor e preces de gratidão pelo seu merecimento e excelsa virtude, ressoa tão-somente o eco do canhestro esquecimento por parte daqueles que lhe deviam honrar a memória ditosa. A efígie de Francisco António Monteiro desapareceu da Sala dos Retratos dos Irmãos Beneméritos da Santa Casa da Misericórdia e o seu nome foi arrancado por mãos ímpias e ingratas da parede da Capela do Senhor Ecce Homo. Negregada injustiça e enfatuada ignorância! Ignorantia neminem excusat!

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 09:00
Regressar ao Topo | Adicionar aos favoritos
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.