Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Terça-feira, 26 de Abril de 2011

Amadeu de Lima – Combatente e Herói da Grande Guerra

    A Grande Guerra foi um conflito mundial que afectou a Humanidade em escala nunca vista, uma hecatombe universal com consequências nefandas de pavorosa tragédia e, logicamente, Paredes de Coura e Padornelo não podiam ficar inumes à imensa correnteza de sofrimento e sangue, gerando aqui ondas de choque.

 

    Amadeu José de Lima nasceu para o mundo no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, a 29 de Abril de 1891, uma quarta-feira, faz agora 120 anos, como quarto filho na ordem de nascimento de José Maria de Lima, alfaiate e lavrador, e de Severina Maria Barbosa; pela via paterna era neto de Manuel António de Lima, de Padornelo, e de Ana Maria Barbosa da Rocha, de Cristelo; neto materno de Manuel José Barbosa de Brito e de Clara Rosa Barbosa, ambos de Padornelo, todos do concelho de Paredes de Coura.

 

    Destinado à vida pachorrenta e laboriosa das almas simples, ramerrão na lavoura, intérprete fiel do destino dos seus antepassados, foi convocado pela ilusão torva dos conciliábulos dos estadistas que atiraram Portugal para o colo dum conflito hediondo de mortalha, fome e morte de proporções bíblicas e sísmicas, o mundo era uma caserna.

 

    Incorporado em 1916 como soldado recruta do Regimento de Artilharia n.º 5, fez a preparação militar na Divisão de Instrução, três meses de treinos forçados e marchas de mata-cavalos no pomposamente chamado Milagre de Tancos, os bofes de fora nos exercícios ininterruptos. O ministro da Guerra, major José Norton de Matos, criara ali uma escola prática de soldados e oficiais, onde milhares de homens receberam preparação apressada para as trincheiras da Flandres.

 

    Embarca em Lisboa a 20 de Agosto de 1917, num comboio marítimo com destino à fornalha de França, incorporado nas fileiras do Corpo Expedicionário Português, encomendado tão-somente à custódia do santo anjo da guarda, as pernas a tremerem de fragilidade humana.

 

    Nos campos de batalha, foi colocado a 1 de Outubro de 1917 na 2.ª Bateria de Artilharia de Montanha do CEP e faz o baptismo de combate, uma explosão de fogo, num duelo de artilharia com as forças alemãs, logo a 1 de Novembro, um canhoneio incansável sobre as linhas das trincheiras.

 

    Lutou com denodo na primeira linha da frente da guerra, soterrado em lamaçais até ao joelho, um merecimento assinalável, «tendo tomado parte em todos as acções que se deram» de 1 de Novembro de 1917 a 9 de Abril de 1918 contra as hordas inimigas, conforme documenta a sua ficha individual[1].

 

    Na sangrenta Batalha de La Lys, travada a 9 de Abril de 1918, Amadeu de Lima obrou actos inauditos de máscula bravura lusitana, enquanto se esboroava o reduto português perante o árduo bombardeamento e investida germânica, por entre uma nuvem de gases, metralha e baioneta que levavam tudo raso. Resistiu tenazmente como pôde, a metralhadora em brasa, enquanto à sua volta jaziam mortos às centenas e escreviam-se inúmeras histórias individuais de tenacidade.

 

    No rescaldo da reorganização dos sobejos das forças militares portuguesas, foi colocado no Destacamento de Artilharia de Montanha a 1 de Outubro de 1918, e ala, a combater no sector de Richebourg de Lavane entre Outubro e Novembro de 1918[2], durante a ofensiva final dos Aliados contra as Linhas de Hindemburgo.

 

    Aproximava-se a passos largos o fim da guerra e do morticínio, quando foi ferido e gravemente gaseado em princípios de Novembro, andava de lua com o destino por caminhos ignorados de Cristo. Recolhe ao Hospital Militar n.º 8, em França, a arder em febre, o pulmão retraçado, arfa de agonia como peixe fora de aquário, num atroz sofrimento, a garra adunca da morte à cabeceira.

 

    Partiu ao encontro do Pai do Céu no dia 7 de Novembro de 1918[3], quinta-feira nas páginas amargas do calendário, vitimado por uma «bronco-pneumonia» causada por gases. Não chegou a assistir ao formal pedido de tréguas e ao armistício de 11 de Novembro de 1918, que pôs termo à funesta I Guerra Mundial. Porquê morrer assim, às portas da Paz? Uma pergunta que embatuca a retórica de qualquer sábio.

 

    O seu corpo, como milhares de outros portugueses, nunca regressou ao aconchego do solo pátrio para ser enterrado neste altar admirável da Natureza, na paleta de cores que é o Minho. Foi sepultado inicialmente na fria cova n.º 2 do cemitério civil de Tillers e, posteriormente, transferidas as ossadas para o Cemitério Militar Português de Richebourg L’Avoué, em França, onde jaz no talhão C, fila 8, coval n.º 7.

 

    Por cá ficaram os velhinhos pais José Maria de Lima e Severina Maria Barbosa, os irmãos Amélia de Lima, António José de Lima, Rosa de Lima e Manuel José de Lima, a viúva Olívia das Dores e o cunhado Dionísio Lourenço, olhos trémulos a soluçar lágrimas tamanhas como punhos, atritos e gemebundos de dor, ai que desgracia, enquanto a eufórica turba aclamava mundo fora o fim da Guerra.



[1] AHM, Fichas Individuais do CEP, Amadeu José de Lima, praça n.º 28636.

[2] AHM, Relação do Destacamento de Artilharia, Ordem de 28 de Outubro de 1918.

[3] AHM, S.E.E.C., 1.ª Divisão, Registo dos Militares Falecidos no CEP à França por Concelhos, cota Div/1/35/1270-B, fl. 51.

Soldados mortos por gases na Batalha de Ypres, na Grande Guerra

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 09:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos