Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011

SARGENTO ANTÓNIO JOSÉ VAZ

    António José Vaz nasceu no Sobreiro, lugar da freguesia de Padornelo, a 16 de Outubro de 1892, faz agora 119 anos. Era filho afeiçoado de Luís António Vaz, ferreiro, nascido em 1854 na freguesia de São Julião da Silva, concelho de Valença do Minho, e de Joaquina Rosa Dantas, lavradora, nascida em Padornelo em 1849; neto pela via paterna de Francisco José Vaz e de Narcisa Rangel; neto materno de Bento José Dantas e de Maria Isabel Barbosa. Tudo boa gente, na observância mais estrita aos ditames dos bons costumes.

 

    Recebeu as águas lustrais do baptismo na pia baptismal da Igreja Paroquial de Santa Marinha a 19 de Outubro de 1892, administradas pelo padre António José Barbosa, cura encomendado da paróquia, acolhido no regaço dos padrinhos José Luís Vaz, ferreiro, solteiro, morador no lugar de Lama, freguesia de São Paio de Mozelos, e de Deolinda Vaz, solteira, lavradeira, moradora no Sobreiro.

 

    Decidido a fugir à bigorna da pobreza franciscana que se topava a cada passo, foi incorporado no Exército em 1914, umas das datas mais nefandas para a História da Humanidade. Nesse ano rebenta o conflito que sepultou o mundo numa pavorosa tragédia de sofrimento, sangue e morte, fruto da demência humana, da ambição infernal e do imperialismo militarista. Milhões de jovens foram empurrados para o horrendo cataclismo mundial.

 

    No entrementes, progride na carreira militar, sendo promovido a segundo-cabo de Infantaria em 1915 e, no ano de 1916, a primeiro-cabo do Regimento de Infantaria n.º 3. Passa em marchas forçadas pelo campo de treinos de Tancos a fim de receber instrução de combate em guerra moderna, e ala para França.

 

    Mobilizado para a frente de batalha, a botar figura em uniforme de desfile, embarca em Lisboa a 22 de Abril de 1917, num comboio marítimo inglês com destino aos campos da Flandres, sendo colocado na 4.ª Companhia da Brigada do Minho do Corpo Expedicionário Português.

 

    A 2 de Dezembro de 1917 recebe os galões de segundo-sargento miliciano de Infantaria, devido à hábil proficiência demonstrada no baptismo de fogo contra o inimigo, onde foi notável a sua briosa galhardia naqueles caminhos ignorados de Cristo, a conter o coração aos saltos a fim de dar exemplo aos demais camaradas de armas.

 

    A 9 de Abril de 1918 os alemães lançam a contra-ofensiva da Primavera, uma mortalha cerrada de granadas, tiros de artilharia e gases letais, a ferro e fogo sobre as trincheiras lusitanas. A Batalha de La Lys foi uma página heróica e trágica nos anais da nossa presença nos campos da I Guerra Mundial, e nela o sargento António José Vaz mostrou a tenaz bravura da alma minhota, o fuzil em brasa a disparar sobre a horda germânica, a resistir valorosamente, enquanto ao redor a Divisão portuguesa era literalmente esmagada e milhares de combatentes jaziam mortos e feridos, varridos pelo rolo compressor da gadanha da morte.

 

    Dado como desaparecido em combate, foi capturado e internado como prisioneiro de guerra no campo de Munster II, na Alemanha Imperial. Durante longos e penosos nove meses vai amargar as penas do Diabo, sob o açoite da fome de lobo faminto, até ser libertado a 16 de Janeiro de 1919. Desembarca em Lisboa a 28 de Janeiro de 1919, depois de 21 meses de ausência, corroído de saudados e maleitas. Porém a vida contínua, apesar de tudo, regressa ao quartel do Regimento de Infantaria de Viana do Castelo.

 

    Enquanto isso, sua mãe faleceu no Sobreiro a 8 de Outubro de 1925 e o pai entregou a alma ao Criador a 23 de Junho de 1930. O nosso antigo combatente da Grande Guerra, homem maduro, a cabeça alva de cãs dos 50 anos, casou na Igreja Paroquial de Santa Maria Maior, em Viana do Castelo, a 24 de Dezembro de 1942, com Isaura Antunes de Abreu, nascida em Viana do Castelo em 1898, filha natural de Alzira de Jesus Abreu. Por este casamento foram legitimados os filhos José Antunes Vaz (nascido a 21 de Janeiro de 1933), Amélia da Conceição Antunes Vaz (nascida a 23 de Maio de 1936) e Gualdino Antunes Vaz (nascido a 30 de Setembro de 1942).

 

    Passou os umbrais da eternidade ao falecer em Santa Maria Maior, freguesia da cidade Princesa do Lima, despede-se da vida presente a 18 de Abril de 1967, com a patente de primeiro-sargento reformado de Infantaria. Contava 75 anos de idade, consumidos ao serviço da Pátria e do Exército, arvorado figura maior da história da nossa freguesia.

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 09:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos