Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Quinta-feira, 30 de Março de 2006

RIFONEIRO DE COURA: a Sabedoria Popular

olho 1.gifpaginas.gifchuva.gif 

    Os ditos e os provérbios fazem parte integrante da cultura popular e duma velhíssima tradição oral de transmissão de conhecimentos, duma riqueza etnográfica.

 

    De qualquer maneira, os ditos populares, são, essencialmente uma ponte com o nosso passado, agora que o presente e a modernidade estão voltados para outros domínios.

 

    Muitos desses ditos e provérbios têm um carácter simbólico, embora a maioria carregue em si, a substância dum simbolismo que não se perdeu no seu todo.

 

    Nos tempos idos em que não havia luz, nem televisão, escola ou cultura erudita acessível para todos, o povo, na sua sapiência milenar, tinha um ditado para tudo, ou a propósito de qualquer coisa, na medida em tal processo fazia parte da sua alma, que traduziam vivências e conhecimentos, atitudes sociais que eram transmitidos de geração em geração.

 

E essa tradição era tanto ou mais enraizada, que ainda hoje, milhares de provérbios sobreviveram, alguns já falhos de conteúdo, mas mesmo assim repetidos com frequência inaudita.

 

    Esses adágios abarcam todas áreas do conhecimento e da existência humana, e por isso, vão ser apresentados divididos por temas, e como estamos em Março, obviamente, a primeira série dirá respeito aos ditos acerca deste mês.

 

MARÇO

 

A geada de Março tira o pão do baraço e a de Abril nem ao baraço o deixa ir.

 

 Aí vem meu irmão Março, que fará o que eu não faço.

 

 Bodas em Março é ser madraço.

 

 Cavas em Março e arrenda pelo S. João, todos o sabem e poucos o dão.

 

Em Março, as noites com os dias e os centeios com os matos.

 

Em Março chove cada dia um pedaço.

 

Em Março deita-te um pedaço.

 

Em Março espetam-se as rocas e sacham-se as hortas.

 

Em Março merenda o pedaço; em Abril merenda o merendil.

 

Em Março merendica e folgaço.

 

Em Março o pão com o mato, a noite com o dia e o Pedro com a Maria.

 

Em Março onde quer eu passo.

 

Em Março queima a velha com o maço.

 

Em Março tanto durmo como faço.

 

Em tardes de Março recolhe o teu gado.

 

Em vinte cinco de Março, se o cuco não se ouvir, ou é morto ou não quer vir.

 

Entre Março e Abril o cuco há-de ouvir.

 

Entre Março e Abril se o cuco não vier, está o fim do mundo para vir.

 

Enxame de Março apanha-o no regaço, o de Abril não o deixes ir, o de Maio deixai-o.

 

Inverno de Março e seca de Abril deixam o lavrador a pedir.

 

Março, aguaço.

 

Março amoroso, Abril ventoso, Maio remeloso, fazem o ano formoso.

 

Março, baço a noite com o dia, o pão com o sargaço.

 

Março, chove cada dia seu pedaço.

 

Março, chuvoso, S. João farinhoso.

 

Março de ano bissexto, muita fome e muito mortaço.

 

Março liga a noite com o dia, o Manel com a Maria, o pão com o pato e a erva com sargaço.

 

Março marçagão cura meadas, esteiras não.

 

Março marçagão, de manhã cara de anjo, à noite cara de ladrão.

 

Março marçagão, de manhã cara de rainha, de tarde corta com a fou­cinha.

 

Março marçagão, manhãs de Inverno, tardes de Verão.

 

Março marçagão, de manhã focinho de cão, ao meio-dia de rainha e à noite de fuinha.

 

Março marceja, pela manhã chove e à tarde colmeja.

 

Março molha o rabo ao gato, se Fevereiro ficar farto.

 

Março molinhoso, S. João farinhoso.

 

Março o cria, Março o fia.

 

Março pardo, antes enxuto que molhado.

 

Março queima a dama no paço.

 

Março ventoso, Abril chuvoso.

 

Março virado de rabo é pior que o Diabo.

 

Nasce a erva em Março, ainda que lhe dêem com um maço.

 

O grão em Março, nem na terra nem no saco.

 

Páscoa em Março, ou fome ou mortaço.

 

Poda em Março, vindima no regaço.

 

Quando em Março arrulha a perdiz, ano feliz.

 

Quando vem Março ventoso, Abril sai chuvoso.

 

Quem em Março açoreou, tarde acordou, mas quem a sua maçaroca fiou, com ela se achou.

 

Quem em Março não merenda, aos mortos se encomenda.

 

Quem não poda até Março, vindima no regaço.

 

Se queres bom cabaço, semeia em Março.

 

Se trovejar em Março semeia altos e baixos.

 

Sol de Março queima a dama no Paço.

 

Vento de Março, chuva de Abril, fazem o Maio florir.

 

Vento de Março e chuva de Abril fazem o vinho florir.

 

Vinho de Março, nem vai ao regaço

 

publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 03:43
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos