Blogue acerca da terra, das pessoas, dos costumes e da História de PADORNELO, freguesia do concelho de Paredes de Coura, distrito de Viana do Castelo, publicado por JOFRE DE LIMA MONTEIRO ALVES.

.Capela das Angústias

.Capela do Amparo

.Correio Electrónico

Contacto via jofrealves@sapo.pt

.Os Meus Blogues

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.Artigos Recentes

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. PADORNELO NAS JANEIRAS DE...

. FALECEU O ANTÓNIO LIMA

. FALECEU O ALBERTO RODRIGU...

. FALECEU O SR. FERNANDO PE...

.Arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.Temas

. todas as tags

.LIGAÇÕES


.subscrever feeds

blogs SAPO
Sábado, 29 de Março de 2014

Lançamento do Livro PADORNELO: DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE PERSONAGENS - Vídeo

    Começo pelo fim, pela conclusão, pois a sessão de lançamento do livro PADORNELO: DICIONÁRIO BIOGRÁFICO DE PERSONAGENS ILUSTRES foi um caso sério de sucesso, mais uma magistral lição de bairrismo e da arte de bem-fazer das gentes e das instituições da nossa santa terrinha. Padornelo mostrou, assim e de forma bem clarividente, que é um caso especial no contexto do concelho e, atrevo-me a afirmar sem qualquer receio, do distrito. Tudo planeado e executado com rigor, método e perfeição, uma conduta quase a raiar o profissionalismo, um profissionalismo levado a cabo por amadores que amam o seu rincão. Uma tarde notável e uma cerimónia marcante nos alvores dos dias alegres!

 

    A sala onde decorreu a sessão pública estava repleta até ao tecto de gente que acudiu dos quatro cantos da freguesia, mas também da vila e do concelho de Paredes de Coura. Muitos vieram de paragens mais longínquas, de Valença, de Ponte da Barca, de Braga, do Porto, de Abrantes, de Lisboa e outras regiões. O anfiteatro da Associação Cultural Recreativa e Desportiva de Padornelo, sita na Valinha, lugar da freguesia de Padornelo, foi insuficiente para albergar todos, tal foi a massa humana que ocorreu para participar e testemunhar o evento, mais uma ocasião para solidificar os laços afectuosos desta comunidade, povo e freguesia de Padornelo todos irmanados como os dedos da mão, a conter o coração aos saltos.

 

    O ribombar estridente dos bombos do Grupo de Zés-Pereiras Os Amigos da Farra de Padornelo, tal como o alarido das trombetas do rei David, marcou o início do vasto programa, criteriosamente estabelecido e rigorosamente cumprido. A mesa de honra formou-se com a presença de Carla Cristina Soares Lima, presidente da Direcção da Associação Cultural Recretiva e Desportiva de Padornelo, Maria Gorete Fernandes Barreiro, presidente da Mesa da Assembleia de Freguesia de Padornelo, Amâncio Barbosa Lourenço, ex-presidente da Junta de Freguesia de Padornelo e convidado de honra do autor, Jofre de Lima Monteiro Alves, autor da obra, Vítor Paulo Pereira, presidente da Câmara Municipal de Paredes de Coura, padre José Domingos Meira da Rocha, pároco da Igreja Matriz de Santa Marinha de Padornelo, e Manuel Fernando Vaz Barbosa, presidente da Junta de Freguesia de Padornelo.

 

    Para além do numeroso público, estiveram presentes inúmeras entidades e individualidades, sendo difícil elencar todas, embora tenha sido perceptível a presença do padre Alcino da Cunha Pereira, antigo pároco da Igreja Matriz de Santa Marinha, vereadores da Câmara Municipal de Paredes de Coura, arcipreste do Arciprestado de Paredes de Coura, autarcas de diversas freguesias, dirigentes de várias Associações Culturais, mais este e aquele e tais e tais.

 

    Não cabia nem mais uma palhinha em qualquer lado. No fundo da sala largas dezenas de pessoas assistiam de pé, outras do lado de fora a vislumbrar pela nesga da porta ou penduradas nas arribas das janelas pelo exterior. Coisa extraordinária, um mar sereno de gente mortinha por ver e absorver! O ar andava pincelado por um sentimento sublime emanado de criaturas embevecidas com toda aquela calorosa e carinhosa manifestação de unidade do povo da freguesia em torno dum objectivo comum que foi assumido por todos: o nosso livro.

 

    Os discursos feitos com alma, pitada de humor, muito emotivos e tão-cheios de brilhantismo, tiveram a cargo de Manuel BarbosaCarla LimaVítor Paulo PereiraAmâncio Barbosa Jofre de Lima Monteiro Alves. Todos falavam com o coração nas mãos. A determinada altura foi guardado um minuto de silêncio em honra de Tiago Pereira, recentemente falecido e que consta de pleno direito nas páginas do livro. O Grupo Infanto-Juvenil e o Grupo de Cantigas da Associação Cultural de Padornelo, com as suas vozes celestiais e instrumental sublime, delícia das delícias, abrilhantaram a tarde, como é timbre desta maravilhosa colectividade e como só eles sabem fazer, com insuperável categoria e maviosa qualidade. O Eduardo Daniel Cerqueira serviu como mestre-de-cerimónias de quatro assobios, a fazer a ponte entre isto e aquilo e coisas e loisas, sempre com mestria!

 

    Depois, por profunda amabilidade da Junta de Freguesia de Padornelo e de Jofre de Lima Monteiro Alves foi entregue um exemplar a cada um dos membros que compunham a mesa de honra (Carla LimaGorete BarreiroAmâncio BarbosaVítor Paulo Pereirapadre José Domingos Meira e Manuel Barbosa) e às pessoas e empresas que tiveram a amabilidade de patrocinar a edição do livro (António da Costa Barbosa e Sandra TinocoAntónio Dantas da CunhaAntónio de Lima Rodrigues, José Sílvio BarbosaSimão da CostaPorfírio Loureiro e Ana Gomes Loureiro, Ilídio BarreiroIlídio Dantas Gomes, José da Costa PereiraJosé Fernandes RodriguesManuel VelosoConceição Barbosa da Silva, Custódia Pereira e Fernando PedrosaOs Amigos da Farrade PadorneloZulmira Dantas de Lima, José Luís Barbosa e Vidal Dias).

 

    De seguida a Junta de Freguesia de Padornelo, por via dos seus dinâmicos membros Manuel BarbosaLuísa Sá e Porfírio Loureiro, procedeu à entrega de uma simbólica lembrança ao autor, no caso vertente uma representação artesanal da Capela de Nossa Senhora das Angústias, que é, consabidamente, a menina dos olhos do homenageado. A parte lúdica colectiva encerrou com um suculento copo-d’água servido a todos os presentes e para acalmar os estômagos mais sensíveis.

 

    O êxito foi tão retumbante que duma penada desapareceram quase 200 livros, entre ofertas oficiais e particulares e vendas! Por fim e durante quase três horas, até às 20 horas, o autor assinou centenas deautógrafos sem qualquer intervalo e nunca esmorecer, um contacto humano proveitoso e de enorme proximidade com o público e com os nossos conterrâneos. Ninguém arredou pé, com paciência de anacoreta! Cada contacto foi personalizado, intimista, tentando saber sempre quem era quem em relação aos pais e avós, referências basilares usadas pelo escritor, trocando incessantemente dois dedos de conversa com os compradores. O autor, nessa tarefa que levou a peito e em espirito de missão, levantou-se sempre para entregar em mão o exemplar rubricado, dar um aperto de mão ou um abraço a cada um. Foi um momento íntimo e cordial.

 

    No âmbito das minhas actividades culturais, como é óbvio, já assisti a diversas e incontáveis sessões de lançamentos de livros e garanto, de certa certeza, que nunca vi nada assim, seja em Paredes de Coura, em Viana do Castelo ou inclusive em Lisboa! Foi inigualável no campo da organização, da presença de assistência, do programa cultural, da oratória, do sincronismo, do calor humano e até da emoção ímpar! Tudo absolutamente extraordinário, um esplendor lucilante! Uma grande manifestação de cultura popular e primoroso bairrismo, vera lição para muita gentinha encafuada em gabinetes alcatifados, longe da realidade e do poviléu!

 

    Padornelo foi mais uma vez pioneira absoluta neste campo, como já havia sido noutras matérias, pois foi a primeira freguesia do concelho a publicar uma monografia e a primeira a nível distrital a trazer à luz do dia um livro destas características, um dicionário biográfico de personagens. Padornelo sempre na linha da frente! Para aquilatar como a nossa terra é deveras peculiar, nada melhor do que tornar público as palavras que o padre Alcino me confidenciou e ao meu filho Ilídio Inocêncio, durante o evento: «Eu vinha de uma terra que achava que era perfeita e quando cheguei a Padornelo é que levei uma ensaboadela e descobri o que era a perfeição». Terra abendiçoada, digo eu!

 

NOTA: A maior parte das fotografias que compõem o vídeo são de Cecília Pereira, a quem agradeço a amabilidade.

Temas:
publicado por Jofre de Lima Monteiro Alves às 09:00
Regressar ao Topo | Comentar | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De olimac a 23 de Abril de 2014 às 22:04
Aonde posso adquirir a obra citada

Comentar Artigo